icons.title signature.placeholder João Matheus Ferreira
10/02/2015
06:00

Um encontro entre o presidente Eurico Miranda e o novo secretário executivo do Ministério dos Esportes, Ricardo Leyser, na semana passada, em Brasília, abriu caminho para o Vasco conseguir recursos para três importantes reformas do clube: o ginásio e o parque aquático de São Januário, além da sede náutica, na Lagoa. A reunião também contou com a presença de Luis Fernandes, presidente do Conselho Deliberativo do Vasco e antigo ocupante da pasta de Leyser. É ele que está intermediando as negociações.

O projeto ainda é embrionário. Entretanto, com a obtenção as Certidões Negativas de Débito, o clube tem dois direitos significativos: pleitear incentivos do governo e ter um patrocínio estatal. A diretoria prepara três projetos, um para cada área, e pretende entregar na segunda quinzena de março. Feito isso, o Ministério vai analisar e decidir se libera ou não recursos para as reformas.

A princípio, esses recursos não seriam financeiros, mas sim através de equipamento e mão de obra para as reformas. Afinal, tanto o ginásio, quanto o parque aquático e a sede náutica estão em completo estado de abandono. O vice-presidente de marketing, Marco Antônio Monteiro, explicou o procedimento

- São basicamente quatro possibilidades. Um convênio com o Ministério dos Esportes ou com a Confederação Brasileira de Clubes (CBC). Os dois devem ter edital publicado entre fevereiro e março. E tem, também, a Lei de Incentivo Fiscal, que podemos captar via ICMS ou imposto de renda. Cada um tem uma regra e precisamos analisar onde é adequado pedir recurso. Estamos em uma fase embrionária, ainda - explicou.

A reportagem entrou em contato com o Ministério do Esporte, que não deu detalhes sobre a relação com o Vasco, mas ressaltou a importância do investimento na recuperação do papel dos clubes na formação de atletas. Algo que, para eles, é importante às vésperas dos Jogos do Rio 2016.

COMO ESTÁ CADA ÁREA

Ginásio
O ginásio de São Januário está com problemas no piso e sofre com a falta de equipamentos para algumas modalidades, como vôlei, basquete e futsal. O projeto é justamente para obtenção de recursos para reformas e equipamentos. Assim como as outras reformas abaixo, o estudo ainda está sendo produzido e deve ser entregue apenas na segunda quinzena de março.

Parque aquático
É, talvez, a principal reforma proposta para o complexo de São Januário. Está fechado desde janeiro de 2013 e enfrenta problemas no filtro e na piscina principal, além das más condições da arquibancada, que precisa ser reformada. A princípio, o projeto é apenas para a piscina voltar a funcionar. A parte estrutural ficará por conta do próprio clube.

Remo
Motivo de orgulho entre os vascaínos, o remo passa por uma enorme crise. Os títulos deixaram de ser uma realidade e a sede náutica necessita de reformas urgentemente. O projeto, inicialmente, visa a obtenção de barcos novos para os remadores e uma atualização nos equipamentos para treinamentos internos.

Ginásio está com problemas no piso e não é utilizado pelo clube (Foto: Wagner Meier)