icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
20/07/2013
18:19

Valdivia tem uma sinergia com a torcida do Palmeiras que é difícil de se explicar. Paixão e ódio típicos de quem convive com a idolatria. Os passes precisos e os dribles são características do meia. E como tem a alcunha de Mago, tirou um coelho de dentro da cartola para colocar o Verdão na liderança do Campeonato Brasileiro da Série B. Com gol do camisa 10 nos últimos minutos, o Palmeiras venceu o Figueirense por 3 a 2, neste sábado, no estádio Orlando Scarpelli, pela nona rodada da segundona do torneio nacional.

André Luiz, Vinícius e Valdivia marcaram para o Palestra, enquanto Ricardo Bueno e Rafael Costa anotaram para o Alviverde. Com a vitória, o Palestra chegou aos 21 pontos e assumiu a liderança. Já o Figueirense permanece com os 16 pontos. A Chapecoense, que teve o jogo contra o América-MG adiado, caiu para a segunda colocação, com 20.

PÊNALTI DESPERDIÇADO E ATRÁS DO PLACAR

Dia 22 de setembro de 2012. O então recém-contratado Gilson Kleina, sem pompa, subia para o gramado do Orlando Scarpelli com a missão de tirar o Alviverde da zona de rebaixamento. Com semblante de introspecção e determinado, conseguiu levar o Verdão à vitória e dar um pouco de alívio para a torcida. Agora, quase dez meses depois e 50 jogos no comando do time, buscava outra ascenção, dessa vez para voltar à elite do Brasileirão. A leve chuva no local não diminuiu o ímpeto dos torcedores alviverdes, que empurraram à equipe.

Suspenso, o zagueiro Henrique deu lugar para Vilson, que voltou ao time titular. Do outro lado, o Figueirense foi armado com três atacantes. Com o meio-campo mais povoado, o Palmeiras teve a maior posse de bola durante o jogo, mas foi apático. Abertos, Vinicíus e Leandro pouco arriscaram em direção ao gol defendido por Tiago Volpi. Do outro lado, o trio ofensivo também não agrediu.

O campo escorregadio dificultou as ações das duas equipes. O cérebro do Verdão, Valdivia, foi marcado de perto pelo volante Nem. Saída pela esquerda, falta de Nem. Pela direita, marcação de Nem. Arrancadas e jogadas próximas à àrea...todas elas com o volante atento. Em algumas divididas, algumas farpas entre os jogadores. Mas, segue o jogo...

E, em uma desatenção, Valdivia apareceu livre por trás de Thiego e sofreu pênalti. Enquanto os jogadores do clube de Santa Catarina reclamavam, o Mago recebia atendimento médico fora do campo. Na cobrança, a apatia foi ilustrada. Leandro, artilheiro do time na temporada, foi para a cobrança, mas jogou para fora. Após o erro, o Figueirense foi impulsionado, como se tivesse acordado. E acordou mesmo.

Em erro de Valdivia no meio-campo, Wellington Saci escapou pela esquerda, rolou para Ricardo Bueno, que ajeitou para a finalização de Rafael Costa. Mesmo desequilibrado, chuta rasteiro e sai para comemorar como se tivesse um binóculo. Com o tento, o Palmeiras buscou igualar o placar, mas padeceu da ineficácia nos primeiros 45 minutos.

GOLS LÁ, GOL CÁ!

Na etapa final, Gilson Kleina alterou a equipe. Entrou o atacante Alan Karde, camisa 14 - por conta do fanatismo para com o francês Thierry Henry - no lugar de Charles. Proposta ofensiva para tentar dormir na liderança, que deu certo. Mais acuado, o Figueirense passou a marcar em seu campo de defesa, deixando o Verdão chegar com a bola dominada, de frente ao gol.

Com três atacantes, o Alviverde passou a abrir o jogo. O plano culminou no gol de empate. Após cobrança de escanteio, Thiago Volpi e Thiego tiraram o perigo da área, Vinícius chutou de longe e, Vilson deu um leve toque para a bola acabar no fundo das redes. Empate e celebração com menção a Tiago Real, que deve deixar o Palestra. O desvio do zagueiro não invalidou o gol do atacante.

Ao ver o time tão recuado, Adilson Batista fez alterações para povoar o meio-campo. O efeito não foi imediato, pois o Verdão permaneceu com mais posse de bola e chegou com mais perigo. Tanto é que virou a partida, com André Luiz, de cabeça. Antes, André Rocha foi expulso após falta em Valdivia. Não, não foi expulso pela falta, mas sim por tentar dar um chutão e, consequentemente, atingir o Mago. Como já tinha um amarelo, recebeu o segundo e foi para o vestiário mais cedo.

Mas, os donos da casa não estavam entregues, mas "adormecidos", como é do jargão futebolístico. Atrás do placar, o Figueirense tomou um choque de realidade para acordar. Deixando o Verdão apenas três minutos na liderança do Brasileirão, os catarinenses empataram, com o ex-palmeirense Ricardo Bueno. Na comemoração, pegou uma bola, tirou a chuteira e celebrou como se tivesse dando uma mamadeira ao filho. Inovou!

Com o placar novamente em igualdade, só alguém, que estava bem marcado na partida, mas que é sempre fundamental, poderia decidir. Após cruzamento da esquerda, Kardec cabeceou na trave e ele, Valdivia, mandou para o fundo das redes. Há tempos ele não marcava. Há tempos não tinha essa alegria. E, agora, deixou o Verdão, que soube controlar os momentos finais da partida, para dormir na liderança.

PRÓXIMOS JOGOS

Na próxima rodada, o Palmeiras encara o Guaratinguetá, fora de casa, no sábado, às 16h20. Enquanto isso, o Figueirense permanece no Orlando Scarpelli e recebe o São Caetano, no mesmo dia, mas às 21h.

FICHA TÉCNICA

FIGUEIRENSE 2 X 3 PALMEIRAS

Local: Orlando Scarpelli, Florianópolis (SC)
Data e Hora: 20/7/2013 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Marcos André Gomes da Penha (ES)
Auxiliares: Katiuscia M. Berger Mendonça (ES) e Ramires Santos Candido (ES)

Renda/Público: Não disponíveis
Cartões Amarelos: André Rocha, Ricardinho, Nem (FIG); Alan Kardec, Valdívia, Ananias (PAL)
Cartões Vermelhos: - André Rocha
GOLS:  Rafael Costa, 29'/1ºT (1-0); Vinícius, 11'/2ºT (1-1);  André Luiz, 26'/2ºT (1-2); Ricardo Bueno, 30'/2ºT (2-2); Valdivia, 42'/2ºT (2-3)

FIGUEIRENSE: Thiago Volpi; André Rocha, Bruno Pires, Thiego e Wellington Saci; Nem, Dener, Maylson (Willian - 20'/2ºT) e Ricardinho (Marcelo Toscano - 23'/2ºT); Ricardo Bueno e Rafael Costa (Tinga - 27'/2ºT). Técnico: Adilson Batista.

PALMEIRAS: Fernando Prass; Luis Felipe, Vilson, André Luiz e Juninho; Márcio Araújo, Charles (Alan Kardec - intervalo), Wesley e Valdivia; Vinicius (Ronny - 37'2ºT) e Leandro (Ananias - 28'/2ºT). Técnico: Gilson Kleina.

Valdivia tem uma sinergia com a torcida do Palmeiras que é difícil de se explicar. Paixão e ódio típicos de quem convive com a idolatria. Os passes precisos e os dribles são características do meia. E como tem a alcunha de Mago, tirou um coelho de dentro da cartola para colocar o Verdão na liderança do Campeonato Brasileiro da Série B. Com gol do camisa 10 nos últimos minutos, o Palmeiras venceu o Figueirense por 3 a 2, neste sábado, no estádio Orlando Scarpelli, pela nona rodada da segundona do torneio nacional.

André Luiz, Vinícius e Valdivia marcaram para o Palestra, enquanto Ricardo Bueno e Rafael Costa anotaram para o Alviverde. Com a vitória, o Palestra chegou aos 21 pontos e assumiu a liderança. Já o Figueirense permanece com os 16 pontos. A Chapecoense, que teve o jogo contra o América-MG adiado, caiu para a segunda colocação, com 20.

PÊNALTI DESPERDIÇADO E ATRÁS DO PLACAR

Dia 22 de setembro de 2012. O então recém-contratado Gilson Kleina, sem pompa, subia para o gramado do Orlando Scarpelli com a missão de tirar o Alviverde da zona de rebaixamento. Com semblante de introspecção e determinado, conseguiu levar o Verdão à vitória e dar um pouco de alívio para a torcida. Agora, quase dez meses depois e 50 jogos no comando do time, buscava outra ascenção, dessa vez para voltar à elite do Brasileirão. A leve chuva no local não diminuiu o ímpeto dos torcedores alviverdes, que empurraram à equipe.

Suspenso, o zagueiro Henrique deu lugar para Vilson, que voltou ao time titular. Do outro lado, o Figueirense foi armado com três atacantes. Com o meio-campo mais povoado, o Palmeiras teve a maior posse de bola durante o jogo, mas foi apático. Abertos, Vinicíus e Leandro pouco arriscaram em direção ao gol defendido por Tiago Volpi. Do outro lado, o trio ofensivo também não agrediu.

O campo escorregadio dificultou as ações das duas equipes. O cérebro do Verdão, Valdivia, foi marcado de perto pelo volante Nem. Saída pela esquerda, falta de Nem. Pela direita, marcação de Nem. Arrancadas e jogadas próximas à àrea...todas elas com o volante atento. Em algumas divididas, algumas farpas entre os jogadores. Mas, segue o jogo...

E, em uma desatenção, Valdivia apareceu livre por trás de Thiego e sofreu pênalti. Enquanto os jogadores do clube de Santa Catarina reclamavam, o Mago recebia atendimento médico fora do campo. Na cobrança, a apatia foi ilustrada. Leandro, artilheiro do time na temporada, foi para a cobrança, mas jogou para fora. Após o erro, o Figueirense foi impulsionado, como se tivesse acordado. E acordou mesmo.

Em erro de Valdivia no meio-campo, Wellington Saci escapou pela esquerda, rolou para Ricardo Bueno, que ajeitou para a finalização de Rafael Costa. Mesmo desequilibrado, chuta rasteiro e sai para comemorar como se tivesse um binóculo. Com o tento, o Palmeiras buscou igualar o placar, mas padeceu da ineficácia nos primeiros 45 minutos.

GOLS LÁ, GOL CÁ!

Na etapa final, Gilson Kleina alterou a equipe. Entrou o atacante Alan Karde, camisa 14 - por conta do fanatismo para com o francês Thierry Henry - no lugar de Charles. Proposta ofensiva para tentar dormir na liderança, que deu certo. Mais acuado, o Figueirense passou a marcar em seu campo de defesa, deixando o Verdão chegar com a bola dominada, de frente ao gol.

Com três atacantes, o Alviverde passou a abrir o jogo. O plano culminou no gol de empate. Após cobrança de escanteio, Thiago Volpi e Thiego tiraram o perigo da área, Vinícius chutou de longe e, Vilson deu um leve toque para a bola acabar no fundo das redes. Empate e celebração com menção a Tiago Real, que deve deixar o Palestra. O desvio do zagueiro não invalidou o gol do atacante.

Ao ver o time tão recuado, Adilson Batista fez alterações para povoar o meio-campo. O efeito não foi imediato, pois o Verdão permaneceu com mais posse de bola e chegou com mais perigo. Tanto é que virou a partida, com André Luiz, de cabeça. Antes, André Rocha foi expulso após falta em Valdivia. Não, não foi expulso pela falta, mas sim por tentar dar um chutão e, consequentemente, atingir o Mago. Como já tinha um amarelo, recebeu o segundo e foi para o vestiário mais cedo.

Mas, os donos da casa não estavam entregues, mas "adormecidos", como é do jargão futebolístico. Atrás do placar, o Figueirense tomou um choque de realidade para acordar. Deixando o Verdão apenas três minutos na liderança do Brasileirão, os catarinenses empataram, com o ex-palmeirense Ricardo Bueno. Na comemoração, pegou uma bola, tirou a chuteira e celebrou como se tivesse dando uma mamadeira ao filho. Inovou!

Com o placar novamente em igualdade, só alguém, que estava bem marcado na partida, mas que é sempre fundamental, poderia decidir. Após cruzamento da esquerda, Kardec cabeceou na trave e ele, Valdivia, mandou para o fundo das redes. Há tempos ele não marcava. Há tempos não tinha essa alegria. E, agora, deixou o Verdão, que soube controlar os momentos finais da partida, para dormir na liderança.

PRÓXIMOS JOGOS

Na próxima rodada, o Palmeiras encara o Guaratinguetá, fora de casa, no sábado, às 16h20. Enquanto isso, o Figueirense permanece no Orlando Scarpelli e recebe o São Caetano, no mesmo dia, mas às 21h.

FICHA TÉCNICA

FIGUEIRENSE 2 X 3 PALMEIRAS

Local: Orlando Scarpelli, Florianópolis (SC)
Data e Hora: 20/7/2013 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Marcos André Gomes da Penha (ES)
Auxiliares: Katiuscia M. Berger Mendonça (ES) e Ramires Santos Candido (ES)

Renda/Público: Não disponíveis
Cartões Amarelos: André Rocha, Ricardinho, Nem (FIG); Alan Kardec, Valdívia, Ananias (PAL)
Cartões Vermelhos: - André Rocha
GOLS:  Rafael Costa, 29'/1ºT (1-0); Vinícius, 11'/2ºT (1-1);  André Luiz, 26'/2ºT (1-2); Ricardo Bueno, 30'/2ºT (2-2); Valdivia, 42'/2ºT (2-3)

FIGUEIRENSE: Thiago Volpi; André Rocha, Bruno Pires, Thiego e Wellington Saci; Nem, Dener, Maylson (Willian - 20'/2ºT) e Ricardinho (Marcelo Toscano - 23'/2ºT); Ricardo Bueno e Rafael Costa (Tinga - 27'/2ºT). Técnico: Adilson Batista.

PALMEIRAS: Fernando Prass; Luis Felipe, Vilson, André Luiz e Juninho; Márcio Araújo, Charles (Alan Kardec - intervalo), Wesley e Valdivia; Vinicius (Ronny - 37'2ºT) e Leandro (Ananias - 28'/2ºT). Técnico: Gilson Kleina.