icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
22/04/2014
15:58

Presença mais frenquente em campo, Valdivia se mostra satisfeito com o trabalho contra lesões que realizou em conjunto com Palmeiras, seleção chilena, e José Amador, seu preparador físico. Sem conviver com tantos problemas quanto nos últimos quatro anos, e agora previsto para ser tratado como um atleta "normal" dentro do clube, o meia alviverde, porém, considera que até alguns torcedores torcem para vê-lo de volta ao departamento médico.

- Acredito que tenha muita gente esperando que fique no DM, para sair falando que de novo estou machucado... Só que já há mais de um ano que não fico com aqueles problemas. Mas que vai ter gente feliz quando isso acontecer, vai. Estão esperando, até alguns torcedores - falou o jogador durante entrevista na Academia de Futebol.

Em 2013, o meia chegou a ficar 114 dias fora por conta de uma lesão muscular na coxa direita, mas desde então o número de partidas como desfalque por lesão caíram consideravelmente. Neste ano, seu problema foi no tornozelo, e graças a uma pancada contra o Bragantino, nas quartas de final do Paulista. Por isto ele pôde jogar apenas parte da semi, diante do Ituano.

Durante os anos anteriores desde que voltou, em 2010, outras várias lesões musculares aconteceram, mas de acordo com ele por conta de falta de entrosamento entre as partes.

- Quando eu tive aquela sequência de lesões, já falei, foi falta de entrosamento, de coordenação, entre departamento médico, comissão técnica e jogador. Falta de cumprimento dos protocolos. Quando são 30 dias, tem de respeitar os 30 dias. E não eram respeitados. Não recuperei como deveria e cada um tem uma parcela de culpa. A grande diferença de um tempo para cá chama-se José Amador - acrescentou ele, falando de seu preparador físico, de Cuba.

A "mudança" no tratamento com Valdivia, que realiza ainda um cronograma de atividades específico a fim de evitar novos problemas, se deu após ele realizar uma biópsia no músculo, na qual se constatou a correção dos problemas musculares que ele tinha.

- As fibras do músculo são retas, e quando você machuca tem de alinhá-las. As minhas fibras não estavam alinhadas, e junto com o pessoal do Palmeiras, conseguimos fortalecer os músculos que estavam menos fortes. Havia uma descompensação de força absurda, e hoje os resultados estão aí. Também passei a me cuidar mais. Agora, machucar, pode acontecer a qualquer minuto - completou.