icons.title signature.placeholder Rodrigo Vessoni
26/06/2014
11:16

Local de treino e concentração de três das 32 seleções (Argentina, Chile e Uruguai), Minas Gerais está satifeita com o impacto da competição e o que o estado - principalmente Belo Horizonte -, devolveu para os mineiros e turistas que vieram à cidade para desfrutar da competição.

Pelo menos, nas palavras de dois secretários do Estado. Na manhã desta quinta-feira, Tiago Lacerda, Secretário de Estado de Turismo e Esportes, e Camilo Fraga, Secretário Municipal Extraordinário para a Copa, falaram sobre o impacto e apresentaram alguns números resultantes dos quatro jogos realizados no Mineirão na primeira fase do Mundial - estádio ainda receberá Brasil x Chile, pelas oitavas, e uma das semifinais.

De acordo com os dois secretários, que demonstraram preocupação com a invasão chilena, ainda não é possível falar do dinheiro injetado na economia mineira, que está sendo levantado pelo Ministério do Turismo, mas ambos garantiram que Belo Horizonte teve ótima visitação, que resultou em números grandiosos. A saber:

-> 4 jogos em 11 dias no Mineirão;

-> 140 mil turistas estrangeiros na cidade até o fim da Copa (estimativa, por enquanto);

-> 22 mil atendimentos a turistas de 40 países diferentes nos pontos de informação;

-> 70% a mais de movimento nos bares;

-> 109 pessoas detidas na região metropolitana de BH (furtos, roubos, drogas, desacato, etc);

-> 51 estrangeiros detidos (35 colombianos, 5 peruanos, 4 ingleses, 3 argentinos, 3 franceses e 1 neozelandês);

-> 116 mil visitantes nos museus da Praça da Liberdade (normalmente são 60 mil/mês);

-> 140 mil pessoas na Fan Fest (meta é ultrapassar os 300 mil até a final);

-> 50 mil visitantes nos museus de Inhotim e Brumadinho (60% de estrangeiros);

-> 1,5 tonelada de feijão tropeiro comercializada;

-> 18 mil visitantes na Fundação Clóvis Salgado;

-> 11 estrangeiros atendidos no

-> 6 mil visitantes na Casa Fiat de Cultura;

-> 109 escoltas (90 realizadas pela PM);

-> 50 mil visitantes na região da Savassi;

-> 227 atendimentos médicos sem gravidade a estrangeiros (hospitais e postos médicos do Mineirão);

-> 9,7 mil passageiros na linha de ônibus do aeroporto internacional de Confins;

-> 537 taxis trabalhando simultaneamente (mais 437 veículos cadastrados para ajudar nas viagens);

-> 300 kg de pão de queijo assados e vendidos;

-> 25% a mais de pessoas na rodoviária de Belo Horizonte (pré-jogo, jogo e pós-jogo);

-> 60 mil pessoas da segurança pública na cidade (polícia, bombeiro, etc)