icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
18/02/2015
11:06

O ex-atacante Túlio Maravilha é um verdadeiro andarilho do futebol. Em busca dos seus mil gols, o ex-jogador passou por muitos clubes de menor expressão. Com isso, o ídolo do Botafogo, campeão brasileiro pelo clube em 1995, viveu algumas situações bastante inusitadas. Entre elas, o ex-atleta destacou uma em que chegou a ser ameaçado no vestiário por um torcedor com uma arma.

- Um exemplo claro é Atlético-GO e Ituiutaba, Série C de 2003. Primeiro jogo, 2 a 1 no Serra Dourada, eu fiz o gol, inclusive foi o gol de número 600. Segundo jogo, uma quarta-feira à noite, lá no estádio do Ituiutaba, que hoje é o Boa, nem existe mais Ituiutaba. Aí, precisávamos do empate, eles fizeram 1 a 0, aí eu faço o gol de empate e no finalzinho eles fazem 2 a 1. Fomos para os pênaltis, não tinha prorrogação. E antes disso, no vestiário, entrou um torcedor do Ituiutaba, com chapelão, cigarro na boca, com bafo de cachaça e pegou o revólver e deu dois tiros para cima, dentro do vestiário. Aí aquela confusão, ele falou 'se ganharem aqui, ninguém vai sair vivo, vai morrer todo mundo'. Aí chega lá nos pênaltis todo mundo vai batendo e fazendo. Quem ficou por último? Eu. Adivinha o que aconteceu? Errei o pênalti, senão não estaria aqui para contar a história - conta o ex-atacante ao programa 'Bola da Vez', da ESPN.

Túlio também falou que é preciso ter um psicológico muito bom para encarar a realidade dos times de menor expressão. Segundo ele, é como voltar ao início da carreira.

- Tem que ter muito trabalho psicológico, você tem que estar muito forte para superar as adversidades. Sair do luxo para ir lá para baixo, para a ralé, onde tudo começou – contou o ex-atleta.