icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
16/03/2014
20:10

Sinal amarelo para a arena mais cara da Copa-2014. O Tribunal de Contas do Distrito Federal apontou indícios de sobrepreço na obra do Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília. De acordo com a auditoria, o custo além da conta é de R$ 431 milhões. A informação é do jornal “Folha de S. Paulo”.

O levantamento dá conta de que o desperdício de dinheiro se deve a, por exemplo, cálculo errado do transporte, compra indevida de material, abono de multa pelo atraso na entrega da obra e atrasado no pedido de descontos em tributos.

Sobre o transporte de material, a fábrica de peças fica a menos de 2 km do estádio, mas o cálculo foi feito como se viesse de Goiânia, com uma distância de 240km. Só nesse item, o gasto desnecessário é de R$ 879 mil.

Assim, o TCDF atesta que “sem mais esforços, percebe-se que os custos foram superestimados, pois o transporte de pré-moldados ocorre dentro do próprio canteiro de obras. A utilização de custo de transporte Brasília-Goiânia é totalmente inadequado para o serviço, não merecendo comentários adicionais.”

O governo do Distrito Federal se defendeu, alegando que “inexistem irregularidades ou superfaturamento na obra“, acrescentando que “o relatório é preliminar, usual nos procedimentos do tribunal.” O governo pediu prorrogação de prazo de 90 dias para apresentar justificativas.

Orçamento subindo

A curva ascendente no orçamento do Mané Garrincha pode aumentar ainda mais. Atualmente, o custo do estádio – com sobrepreço e tudo – é de R$ 1,4 bilhão. A previsão, também do Tribunal de Contas, leva em consideração contratos e licitações que não foram finalizados ainda, além do valor das estruturas temporárias para a Copa.