icons.title signature.placeholder Luis Fernando Coutinho
16/02/2015
17:50

Talvez o ponto alto do ano de 2014 no mundo do MMA tenha sido a surpreendente vitória de TJ Dillashaw contra Renan Barão, em apresentação impecável que rendeu ao americano o cinturão dos galos da organização. Depois de ver a revanche cair na véspera depois de problemas de saúde de Renan Barão durante o corte de peso, em agosto, o atual campeão pisa no octógono novamente contra o brasileiro no dia 25 de abril, pelo UFC 185, em Montreal, Canadá. Mas a história será bem diferente da primeira luta entre os dois. Quem garante é André Pederneiras, treinador de Barão.

- Não acredito (que o Barão vá lutar na segurança) pela vontade que ele está de "matar" o outro. Mas o Barão está chegando, ele vai saber até para qual lado o TJ pisca. O Barão na primeira luta foi pego. Não era a luta, o outro adversário se machucou e foi ele. O TJ não estava no nosso radar. Começamos a ver como uma luta. Nenhuma luta do TJ foi algo perto daquilo que ele lutou. Aquele dia mágico dele nunca mais vai acontecer. Nem com o Barão, e nem com ninguém. Parabéns a ele. Sou apreciador de atletas independente da minha academia. Ele deu show. Exageraram na comemoração posterior a isso, coisa que não fizemos, sempre fomos contidos, apesar das vitória animais. Bola vai e vem. Vamos ver na proxima o que vai dar - declarou o técnico.

O treinador ainda avaliou a pressão que muitos atletas enfrentam ao se tornarem campeões de suas categorias e terem de manter seu reinado por muito tempo na organização. Pederneiras exaltou o equilibrio dos lutadores do UFC.

- A cobrança em cima de qualquer campeão ou ex-campeão é muito grande. Se você colocar um atleta no UFC, a concorrencia é enorme. O campeão pode perder pra um cara que não está nem no top 10. Está muito equilibrado - avaliou.