icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
06/03/2014
14:09

Alejandro Sabella resolveu bancar a não convocação de Tevez. Posição apoiada por Sergio Batista, outro treinador da seleção argentina que esteve na mesma posição.

Batista, que no ano passado dirigiu o Shanghai Shenhua, revelou em entrevista ao canal de TV argentino TyC Sports que sofreu pressão de dirigentes para convocar Tevez para a disputa da Copa América de 2011.

- A pressão veio de cima, pressão da AFA e pressão política. Tive vonta de ir embora - foram as palavras do ex-treinador da Argentina.

Na opinião de Batista, Tevez possui futebol para contribuir com a seleção. Porém entende os motivos que levam Sabella a não convocá-lo.

- Hoje não tenho nem ideia do por quê de Tevez não estar na seleção. Sempre digo que Carlos é um jogador de seleção. Isso eu não discuto. Mas que deixem Sabella escolher os jogadores que quiser. Aquele que tiver de ficar fora, que fique - disparou Batista.

Apesar da pressão, Tevez participou de três jogos naquela Copa América. Jogou os dois primeiros, empates com a Bolívia (1 a 1) e com a Colômbia (0 a 0). Ficou fora da vitória de 3 a 0 sobre a Costa Rica. O "jogador do povo" voltou nas quartas de final, contra o Uruguai. Entrou no fim do segundo tempo, no lugar de Agüero. Acabou, por ironia do destino, desperdiçando o pênalti que ajudou a selar a eliminação argentina.