icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes
29/12/2013
10:04

A negociação de Everton com o Tigres, em 2010, causou um imbróglio entre o clube mexicano e a Traffic, responsável pela transação naquela temporada.

Há uma ação do grupo na Fifa originada da falta de repasse por parte dos mexicanos do dinheiro relativo aos empréstimos do meia-atacante a Botafogo, Suwon Bluewings (da Coreia do Sul), e Atlético-PR, nas últimas três temporadas.

A Traffic, quando negociou o jogador, vendeu 80% dos direitos econômicos, permanecendo com os outros 20%. E, por isso, entende que deveria ter recebido 20% do valor dos três empréstimos.

O imbróglio jurídico não tem uma data para ser julgado, mas não interfere na transferência de Everton para o Flamengo.

Na época, o meia-atacante tinha os direitos federativos vinculados ao Desportivo Brasil, clube o qual a Traffic administra e registra os jogadores da empresa.

AS TRANSFERÊNCIAS DE EVERTON

2010

Após o título brasileiro de 2009 pelo Fla, Everton foi negociado pela Traffic com o Tigres, do México, por US$ 5,7 milhões (R$ 10 milhões, na época). O montante correspondeu a 80% dos direitos econômicos. Fla recebeu 10% da negociação.

2011

Já no Tigres, Everton não conseguiu jogar e foi emprestado ao Botafogo por aproximadamente R$ 1,2 milhão. A Traffic, que ainda ficou com 20% dos direitos econômicos do jogador, reivindica parte desse empréstimo (20%).

2012

Reserva no Botafogo, Everton retornou ao Tigres e foi repassado ao Suwon Bluewings, da Coreia do Sul. O valor desse empréstimo, não divulgado, também é cobrado pela Traffic em ação movida contra o Tigres, na Fifa.

2013

Depois da Coreia do Sul, Everton foi emprestado ao Atlético-PR, clube pelo qual se destacou nas boas campanhas do Furacão na Copa do Brasil e Brasileiro. O Tigres exigiu cerca de R$ 4,8 milhões para liberá-lo, valor que não foi pago.