icons.title signature.placeholder Luiz Gustavo Moreira e Paulo Victor Reis
icons.title signature.placeholder Luiz Gustavo Moreira e Paulo Victor Reis
24/07/2013
20:24

Se o primeiro clássico do Novo Maracanã, entre Fluminense e Vasco, no último domingo, ficou marcado pela hostilidade entre as torcidas na semana que antecedeu o confronto, o segundo duelo entre rivais no repaginado estádio - Flamengo e Botafogo, no próximo domingo - promete um clima bem mais ameno.

Torcedores dos clubes marcaram um protesto bem-humorado na porta do estádio, contra os preços elevados dos ingressos. A ideia? Se vestirem com trajes de gala, como terno, gravata, cartolas, vestidos longos e salto alto.

A iniciativa partiu de torcedores do Botafogo, que criaram o evento "Aristocracia Alvinegra" no Facebook. Em seguida, rubro-negros fizeram a "Aristocracia Flamenga". Eles se reunirão às 17h, 1h30 antes da partida, para tomar um "Chá das 5". Afinal, "lord que é lord divide a mesma mesa para falar de esportes nobres, como pólo, golfe e futebol", como diz a descrição do evento alvinegro.

Versão rubro-negra do protesto no Maracanã (Foto: Reprodução/Facebook)

- Esperamos que essa convivência pacífica seja um legado bom desse Novo Maracanã. A ideia é fazer com que seja um grande acontecimento para as duas torcidas - disse Guilherme Figueira, um dos idealizadores da parte alvinegra do movimento.

Guilherme pensa nesse protesto desde os primeiros indícios de uma possível elitização do Maracanã e viu o primeiro jogo do clube da Estrela Solitária no Maracanã como uma ótima oportunidade para estrear o protesto.

O idealizador da Aristocracia Flamenga, Eduardo Tomazine, também falou sobre o movimento.

- Nosso objetivo é protestar contra esse escárnio feito contra a cultura popular. Entendemos os argumentos para o valor dos ingressos, mas isso não justifica a exclusão das camadas populares do Maracanã - revoltou-se Eduardo.

Questionado se já havia garantido seu ingresso para o clássico, Guilherme brincou com a situação e disse que não se preocupou com os valores:

- Para nós, não faz tanta diferença. Afinal, somos aristocratas.

Se o primeiro clássico do Novo Maracanã, entre Fluminense e Vasco, no último domingo, ficou marcado pela hostilidade entre as torcidas na semana que antecedeu o confronto, o segundo duelo entre rivais no repaginado estádio - Flamengo e Botafogo, no próximo domingo - promete um clima bem mais ameno.

Torcedores dos clubes marcaram um protesto bem-humorado na porta do estádio, contra os preços elevados dos ingressos. A ideia? Se vestirem com trajes de gala, como terno, gravata, cartolas, vestidos longos e salto alto.

A iniciativa partiu de torcedores do Botafogo, que criaram o evento "Aristocracia Alvinegra" no Facebook. Em seguida, rubro-negros fizeram a "Aristocracia Flamenga". Eles se reunirão às 17h, 1h30 antes da partida, para tomar um "Chá das 5". Afinal, "lord que é lord divide a mesma mesa para falar de esportes nobres, como pólo, golfe e futebol", como diz a descrição do evento alvinegro.

Versão rubro-negra do protesto no Maracanã (Foto: Reprodução/Facebook)

- Esperamos que essa convivência pacífica seja um legado bom desse Novo Maracanã. A ideia é fazer com que seja um grande acontecimento para as duas torcidas - disse Guilherme Figueira, um dos idealizadores da parte alvinegra do movimento.

Guilherme pensa nesse protesto desde os primeiros indícios de uma possível elitização do Maracanã e viu o primeiro jogo do clube da Estrela Solitária no Maracanã como uma ótima oportunidade para estrear o protesto.

O idealizador da Aristocracia Flamenga, Eduardo Tomazine, também falou sobre o movimento.

- Nosso objetivo é protestar contra esse escárnio feito contra a cultura popular. Entendemos os argumentos para o valor dos ingressos, mas isso não justifica a exclusão das camadas populares do Maracanã - revoltou-se Eduardo.

Questionado se já havia garantido seu ingresso para o clássico, Guilherme brincou com a situação e disse que não se preocupou com os valores:

- Para nós, não faz tanta diferença. Afinal, somos aristocratas.