icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
19/02/2015
21:26

O torcedor do Atlético-MG que esteve presente ao estádio do Colo-Colo, em Santiago (CHI), saiu com muito mais do que o prejuízo na estreia do Galo na Libertadores. Além da derrota por 2 a 0, um torcedor atleticano relatou cenas de violências praticadas por fãs da equipe chilena durante a partida desta quarta-feira.

- O torcedores do Colo-Colo tacaram pedras, latas e moedas. Alguns pularam para o local destinado para a torcida do Atlético e abaixaram as calças mostrando as genitálias para mulheres e crianças. Cuspiram, urinavam e jogavam o que tinham na mão - relatou o torcedor Henrique Rocha, em entrevista à "Rádio Globo".

O responsável pelo policiamento local foi ouvido pela reportagem, mas afirmou que nada de anormal aconteceu durante a partida. Apenas um ou outro caso isolado.

- -São violências tipicas de torcidas. Tudo esteve tranquilo. Ocorreu um ou outro foco em setores do estádio, mas dentro da normalidade, tanto que nãp usamos carabineiros. A segurança local foi suficiente. O único problema maior é que tinha um torcedor da Universidad de Chile na torcida do Atlético e isso irritou alguns torcedores colocolinos - afirmou.

Henrique Rocha confirmou a presença de um torcedor da La U no setor do Atlético-MG. No entanto, ele afirma que isso não motivou a torcida do Colo-Colo a realizar os atos hostis.

- Teve um chileno da La U no estádio e ele não era torcedor do Galo. Mas ele entrou já na metade do primeiro tempo e todos os xingamentos e pedras foram atiradas desde a hora que nós entramos no estádio, uma hora antes do jogo começar - relatou.

E MAIS:
> Jô está há 2205 minutos sem marcar. Veja o que daria para fazer neste tempo
> Bernard pede para retornar ao Galo, mas alto salário é empecilho

Já para Cristian Munai, outro torcedor do Atlético que estava presente no estádio, a justificativa utilizada pela polícia local foi lamentável.

- Com relação da La U no meio ele realmente estava lá. Mas ali era lugar para todos os torcedores. Esse argumento de que tudo foi normal é ridículo - afirmou.