icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
26/07/2013
19:53

Com os ingressos "mais baratos" nas casas dos três dígitos (no mínimo, R$ 100), ir ao Maracanã ficou difícil para o povo. Dona Zica, torcedora símbolo do Flamengo, humilde moradora do conjunto de favelas do Alemão, quase ficou fora da volta do Rubro-Negro ao estádio. Ela só conseguiu um bilhete após doação de um torcedor "comum", membro da campanha "Aristocracia Flamenga".

Pelo Facebook, o torcedor Bruno Nin relatou a angústia de Dona Zica pelo ingresso:

- Estive quinta-feira na Gávea e encontrei Dona Zica. Ela tava triste, pois não iria ao jogo. Resolvi comprar o ingresso para ela. Teremos a nossa guerreira do nosso lado.

E MAIS
> Flamengo fará todos os jogos do primeiro turno do Brasileiro em Brasília
> Com cambistas por perto, venda ingressos para o clássico é mais calma
> Fla vai apurar farra de cambistas no Maracanã, realizada nesta quarta

Dona Zica ganhou esse apelido do próprio Zico. A amizade entre os dois já dura 56 anos (Zico tem 60 anos). Dona Zica morava nas ruas e, em uma noite de Natal, resolveu dormir no bairro de Quintino. Naquela madrugada, ela foi acolhida pela mãe de Zico, que ofereceu comida. Zica chegou inclusive a morar na casa do Galinho.

Hoje, a casa de Zica é repleta de objetos relacionados ao Flamengo, quase todos comprados com valores de R$ 2 a R$ 5 ou doados. Além disso, ela faz questão de vestir a camisa do clube nas 24 horas do dia, em todos os dias do ano. Zica contabiliza ter cerca de 50 camisas, muitas delas também vindas de doações.

Fla admite que inexperiência atrapalhou na venda de ingresso

Com os ingressos "mais baratos" nas casas dos três dígitos (no mínimo, R$ 100), ir ao Maracanã ficou difícil para o povo. Dona Zica, torcedora símbolo do Flamengo, humilde moradora do conjunto de favelas do Alemão, quase ficou fora da volta do Rubro-Negro ao estádio. Ela só conseguiu um bilhete após doação de um torcedor "comum", membro da campanha "Aristocracia Flamenga".

Pelo Facebook, o torcedor Bruno Nin relatou a angústia de Dona Zica pelo ingresso:

- Estive quinta-feira na Gávea e encontrei Dona Zica. Ela tava triste, pois não iria ao jogo. Resolvi comprar o ingresso para ela. Teremos a nossa guerreira do nosso lado.

E MAIS
> Flamengo fará todos os jogos do primeiro turno do Brasileiro em Brasília
> Com cambistas por perto, venda ingressos para o clássico é mais calma
> Fla vai apurar farra de cambistas no Maracanã, realizada nesta quarta

Dona Zica ganhou esse apelido do próprio Zico. A amizade entre os dois já dura 56 anos (Zico tem 60 anos). Dona Zica morava nas ruas e, em uma noite de Natal, resolveu dormir no bairro de Quintino. Naquela madrugada, ela foi acolhida pela mãe de Zico, que ofereceu comida. Zica chegou inclusive a morar na casa do Galinho.

Hoje, a casa de Zica é repleta de objetos relacionados ao Flamengo, quase todos comprados com valores de R$ 2 a R$ 5 ou doados. Além disso, ela faz questão de vestir a camisa do clube nas 24 horas do dia, em todos os dias do ano. Zica contabiliza ter cerca de 50 camisas, muitas delas também vindas de doações.

Fla admite que inexperiência atrapalhou na venda de ingresso