icons.title signature.placeholder Renato Rodrigues
01/11/2013
19:00

A indefinição do casamento entre Corinthians e Tite rendeu mais um capítulo nesta sexta-feira. Em entrevista coletiva no CT Joaquim Grava, o treinador não confirmou que renovará contrato, que vai até 31 de dezembro, mas fez questão de acabar com qualquer tipo de especulação envolvendo seu nome em outros clubes. O treinador afirmou, com todas as letras, que ou continua no Timão ou iniciará 2014 descansando.

Questionado sobre o fato de o time do Parque São Jorge já ter começado a se planejar para a próxima temporada sem saber de sua continuidade, o comandante disparou e fez quase um desabafo nos microfones. Tite mandou um recado às equipes que já se animaram com a possibilidade de contratá-lo. O Internacional, como já noticiado pelo LANCE!Net, é um dos interessados.

- Não ficaria à mercê do técnico para planejar o trabalho, para isso existe gerente, diretor... Não pode ficar só na mão do treinador. A relação é conjunta, o que é bom para o clube não é só para o técnico. Isso já está ajustado. Conversamos constantemente o que é planejamento, independente de permanência. Não vai mudar ficando ou não. E não sou cara de meias palavras. Não é nenhum demérito aos outros clubes, mas no Brasil só existe um clube que eu possa continuar trabalhando, e esse clube se chama Corinthians. Fora isso, um determinado tempo eu não vou trabalhar, porque esse é o ritmo do Tite. Não consigo desvencilhar de um trabalho, cortar e começar outro de um dia pro outro. Não consigo enquanto pessoa e profissional - revelou, ainda afirmando que pouco se importa com o dinheiro:

- Não é nenhum demérito, nenhuma falta de respeito à grandeza dos outros clubes, simplesmente um ritmo meu pessoal. No Brasil não vou trabalhar. Por determinado tempo não vou. Não vou pular de galho. Não faço isso. A não ser uma condição de exterior, e isso o clube já sabe há 40 dias, já falei para o Roberto de Andrade, é a posição que coloquei em relação ao Corinthians, em respeito à entidade. Não adianta ficar especulando outras situações, não conversei com outros clubes. Não vou por dinheiro, tenho que ir integrado, vestindo a camisa. Não é dinheiro que me move. É uma engrenagem. Não vou mudar meus hábitos e não é demagogia.

Por fim, Tite também deixou claro que a negociação de um novo vínculo, que só deve começar quando o Corinthians atingir 46 pontos no Campeonato Brasileiro, não é só uma decisão apenas dele. Em recentes entrevistas, a diretoria sempre deixou claro que tem o desejo que ele continue para o seu quarto ano consecutivo no cargo.

- É a grandeza do Corinthians que escolhe, sempre me coloquei como técnico. Sei da responsabilidade de cada um, Edu, Duílio, Roberto, Saulo... É o comando do clube, compreendo muito bem. A real dimensão da atual situação é que gostaríamos de estar na Libertadores. Lutei para isso e vou continuar lutando enquanto puder. Futebol tem essa visão de clarear e ver as coisas com mais calma. Vamos esperar essa zona de segurança (de não cair). Não é o que é melhor para o Tite ou para o presidente, é o melhor para o Corinthians - concluiu.