icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
08/07/2013
08:01

Tite gostou da atuação de Alexandre Pato atuando pelo lado esquerdo no esquema 4-2-3-1. Autor dos gols na vitória por 2 a 0 contra o Bahia, em Salvador, o camisa 7 até apareceu como centroavante na cara do gol. Mesmo assim, o técnico diz que não há revezamento no pivô.

- Não há troca com Guererro, ele que fica no pivô. E o Pato vem...Não vou fazer ele vir até atrás para marcar, mas vem até a faixa intermediária. Dali para trás o Ralf pega, ou o Fábio Santos ou o Renato Augusto. Tendo a posse de bola, ele fica mais perto do Guererero. Esse é o posicionamento. Ele jogou no Milan assim com o Leonardo - disse Tite.

Desde que o Timão voltou da parada da Copa das Confederações, conseguiu duas vitórias: 2 a 1 contra o São Paulo, pela Recopa, e 2 a 0 contra o Tricolor baiano, pelo Brasileirão. Para o técnico, o time se destaca no físico:

- Quando está melhor fisicamente, a organização tática é melhor, o time triangula. Gritaram olé, mas nosso olé não é de sacanegam, é troca de passes, não é passar o pé em cima da bola, olhar para um lado e tocar para o outro...A gente joga e compete para vencer. Às vezes, não dá - completou.

Tite gostou da atuação de Alexandre Pato atuando pelo lado esquerdo no esquema 4-2-3-1. Autor dos gols na vitória por 2 a 0 contra o Bahia, em Salvador, o camisa 7 até apareceu como centroavante na cara do gol. Mesmo assim, o técnico diz que não há revezamento no pivô.

- Não há troca com Guererro, ele que fica no pivô. E o Pato vem...Não vou fazer ele vir até atrás para marcar, mas vem até a faixa intermediária. Dali para trás o Ralf pega, ou o Fábio Santos ou o Renato Augusto. Tendo a posse de bola, ele fica mais perto do Guererero. Esse é o posicionamento. Ele jogou no Milan assim com o Leonardo - disse Tite.

Desde que o Timão voltou da parada da Copa das Confederações, conseguiu duas vitórias: 2 a 1 contra o São Paulo, pela Recopa, e 2 a 0 contra o Tricolor baiano, pelo Brasileirão. Para o técnico, o time se destaca no físico:

- Quando está melhor fisicamente, a organização tática é melhor, o time triangula. Gritaram olé, mas nosso olé não é de sacanegam, é troca de passes, não é passar o pé em cima da bola, olhar para um lado e tocar para o outro...A gente joga e compete para vencer. Às vezes, não dá - completou.