icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
02/02/2015
23:05

Após a estreia oficial do Corinthians no Paulista, o técnico Tite comentou sobre o início de temporada do Timão e projetou o confronto desta quarta, contra o Once Caldas, pela primeira fase da Libertadores. Em entrevista ao programa Bem, Amigos, da Sportv, nesta segunda, o treinador revelou que tem passado ao time uma mensagem de mentalidade forte. 

- Fundamentalmente, você tem que ter uma coisa para jogar jogos decisivos, e a Alemanha deixou um legado muito bom. O nível de concentração tem que ser aqui em cima (alto). Você não se deixa levar por erro individual ou coletivo. Se o árbitro errar, deixa. Se você levou uma pancada e o jogo está truncado, isola, vai jogar. Você tem que eliminar todas as variáveis. Isso é ser mentalmente forte, e essa é a mensagem que estou passando para os atletas. Vai jogar. (pra vencer) Tem que ser melhor, esse é o detalhe. - afirmou Tite

CONFIRA OUTROS MOMENTOS DA ENTREVISTA: 

PERMANÊNCIA EM 2011, APÓS DERROTA PARA O TOLIMA
"Eu tenho muita gratidão ao Andrés. É muito fácil falar agora desse ato (me manter) que ele teve. Não foi só importante para o Corinthians, mas pra mim, pessoalmente, também foi. Ele chegou e me disse, após aquela grande derrota: 'Nós confiamos em você'. Isso é muito fácil de falar agora. No fim, foi ele que bateu o martelo (pra eu ficar). A média inglesa, de permanência de treinadores, é de 16 meses"

DIFERENÇAS DE 2011 PARA 2015
"São situações diferentes. Foi um curto tempo de preparação em 2011. Hoje, temos uma equipe que vem a bastante tempo junto. Em 2011, aquela equipe estava em transição, sem tempo de preparação. Tinha saído o Elias, o Willian, ainda não estava com o ajuste tático."

EXCURSÂO AOS EUA
"Crescemos muito com os jogos. Fiquei contente com o nivel de desempenho. Foi um pepino porque pegamos um time com maior nível tecnico já atuando. Se o confronto fosse mais adiante, seria melhor. O confronto contra o Bayer Leverkusen trouxe benefício, mesmo correndo o risco (de contusões)."

JADSON 
"Cheguei nos quatro (Renato Augusto, Danilo, Jadson e Lodeiro0 e disse que, no ultimo terço do campo, eles deixam qualquer um na cara do gol. Sobre o Jadson, ele tem visão 3D. Tem atletas que têm essa capacidade. Com atletas que não foram campeões, o torcedor tem menos paciência. Tenham confiança. O Felipe jogou muito. Para esses jogadores, é importante que o torcedor jogue junto dando confiança."

CONFRONTO COM O ONCE CALDAS
"Ele mudou o sistema. Agora jogam no 4-2-3-1, com velocidade pela direita e um atleta de qualidade pela direita. Um central de articulação e um pivô argentino. Vamos tomar a iniciativa. A característica da equipe é essa infliltração e chegadas à frente. Vamos buscar o resultado e a vantagem. Qualquer vantagem, mesmo um 2 a 1, é considerável. Não dá pra você ficar receoso. Fundamentalmente, você tem que ter uma coisa para jogar jogos decisivos, e a Alemanha deixou um legado muito bom. O nível de concentração tem que ser aqui em cima (alto). Você não se deixa levar por erro individual ou coletivo. Se o árbitro errar, deixa. Se você levou uma pancada e o jogo está truncado, isola, vai jogar. Você tem que eliminar todas as variáveis. Isso é ser mentalmente forte, e essa é a mensagem que estou passando para os atletas. Vai jogar. (pra vencer) Tem que ser melhor, esse é o detalhe."

GUERREIRO
"Eu entendo a torcida, mas não é um assunto que compete a mim. Não tenho direito de falar que o Guerreiro tem que baixar a pedida, nem que ele é imprescindível para o time, então, o Corinthians tem que renovar. Não sou o Arséne Wenger. O Futebol brasileiro não é assim. Mas sei que o Corinthians como entidade quer contar com ele. Mas quero que seja um coisa limpa e não uma coisa de faz de conta. Eu sei, ele sabe, os diretores sabem e a torcida sabe o valor que ele tem. Claro que é importante."