icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese e Renato Rodrigues
21/11/2013
07:30

Tite está disposto a abrir negociações com clubes que desejam contratá-lo para a temporada 2014. A única ressalva do treinador, porém, ainda é de não aceitar ir para times brasileiros no primeiro semestre do próximo ano.

A posição, revelada há semanas, é mantida mesmo depois de saber que não seguirá no Corinthians. Após escutar da diretoria que não está nos planos, o técnico avisou seu empresário, Gilmar Veloz, que vai começar a analisar as propostas do exterior, que, até então, haviam ficado de lado. Mesmo balançando no Timão, ele havia deixado claro para o agente que só ouviria alguma coisa de outros interessados depois definir a situação no clube.

Os títulos do Mundial e da Libertadores deram maior visibilidade internacional ao comandante. Desde o meio do ano, clubes do exterior o sondaram. No Brasil, o Internacional chegou a procurá-lo diretamente, mas não foi sequer ouvido. Outros quatro brasileiros cogitaram.

De concreto, Tite recebeu apenas uma proposta milionária da China, mas não empolgou. O interesse vindo do Oriente Médio e do Japão também é forte. Segundo pessoas próximas ao treinador, o interesse aumentou desde o anúncio oficial de que não continuará no Corinthians.

A temporada europeia ainda em andamento impossibilita uma transferência agora. Comandar uma seleção, um de seus desejos, também dificilmente acontecerá, já restam pouco mais de seis meses para o início Copa do Mundo no Brasil e nenhum cargo deve ficar vago.

Como Luiz Felipe Scolari deve deixar a Seleção Brasileira após o Mundial, Tite vê com bons olhos esperar até lá e, livre de contratos, realizar o grande sonho de assumir a Amarelinha. O técnico não toca no assunto publicamente. Além disso, o presidente da CBF, José Maria Marin, disse depois da Copa das Confederações que Gallo, técnico das seleções de base, deve ser o natural substituto de Felipão, caso ele saia.

Nos próximos seis meses, Tite não descarta viajar, fazer intercâmbios e ver futebol, sem o compromisso e a pressão de estar trabalhando. A pressa para resolver seu futuro, diz, é zero. Desgastado dos três anos ininterruptos de Corinthians, quer passar mais tempo com os dois filhos, que estudam no exterior.

Opções e planos

Trabalho
Depois de uma breve férias, Tite pode iniciar 2014 comandando alguma equipe de fora do Brasil. Apesar de já ter dito que a dificuldade com idiomas que não domina incomoda, ofertas milionárias podem convencê-lo.

Família
O treinador sente falta dos filhos, que estudam nos EUA. Ideia é passar um tempo com eles, assim que a temporada 2013 acabar. Ver a mãe e família, em Caxias do Sul (RS), também faz parte do roteiro.

Estudar
Após mais de três anos sem tempo livre, cogita estudar, caso não feche com nenhum clube do exterior. A ideia é fazer intercâmbios em clubes da Europa para acompanhar jogos e treinos e desenvolver novos métodos de trabalho.

Seleção
Se decidir esperar e fazer as opções acima, Tite teria grandes chances de assumir uma seleção após a Copa. Mesmo que não seja a Brasileira.

Gilmar Veloz
Empresário de Tite, ao LANCE!Net

Com a saída certa do Tite em 2014, vocês já têm alguma definição da carreira dele para o futuro?
Estamos estudando as propostas a partir de agora. Tite já colocou a posição dele, que no Brasil agora ele não pretende trabalhar.

Na coletiva, Tite chegou a dizer que recebeu propostas de cinco clubes brasileiros. Algo avançou?
Já conversamos e no Brasil, por enquanto, ele não vai trabalhar. Então nem fomos adiante e não vamos discutir propostas do Brasil.

E o que tem do exterior?
Não estou autorizado a falar.

Ele tem um desejo de dirigir a Seleção Brasileira no futuro. Há chance de ele tirar um semestre sabático para esperar a saída do Felipão após a Copa do Mundo de 2014?
Não dá para falar, não sei. O importante é analisar o que tem. Depois vamos ver o que é o melhor.