icons.title signature.placeholder Bruno Andrade e Rodrigo Vessoni
02/03/2014
07:04

Fundamental na reconstrução da imagem do Corinthians após o rebaixamento de 2007, o departamento de marketing do clube está esfacelado.

A saída inesperada do gerente Caio Campos, que tocou a maioria dos projetos nos últimos anos e que acompanhava de perto os assuntos relacionados à Arena Corinthians, expõe a falta de sintonia e comando no setor, que já havia perdido os diretores Luis Paulo Rosenberg e Ivan Marques. Somam-se a isso as recentes saídas de Breno Felício, assistente, ligado ao estádio, e Pedro Ivo, coordenador, ligado ao Fiel Torcedor. Problemas não faltam.

Caio Campos saiu por não concordar com decisões tomadas pelo ex-presidente Andrés Sanchez no que diz respeito à busca de recursos que o estádio pode proporcionar. Deixado de lado nas principais decisões, o gerente preferiu ir embora mesmo diante da frustração de não estar presente quando o estádio for inaugurado, entre abril e maio.

– Eu já vinha pensando nisso há algum tempo e resolvi tomar essa decisão. Mas ainda seguirei por algum tempo para ajudar o Izael – afirmou Caio, por telefone, ao L!.

Izael Sinem Júnior é o atual diretor, cargo que já foi de Rosenberg e Ivan Marques. O primeiro, assim como Caio Campos, afastou-se em dezembro de 2012 por divergências com Andrés e parte da diretoria. O segundo, que ficou pouco tempo no cargo, não conseguiu tocar os projetos e pouco apareceu no clube.

A falta de sintonia e presença do diretor, aliás, é uma das críticas sobre Sinem, pouco conhecido por diretores e demais funcionários.

BATE-BOLA

Izael Sinem Júnior, atual diretor de marketing do Corinthians, ao LANCE!Net

O departamento de marketing foi pego de surpresa com a saída do gerente Caio Campos?
(Saída) Não estava programada. Como você sabe, acabei de assumir o posto de diretor, não tem dois meses que cheguei, mas entendo a saída do Caio. Faz muito tempo que ele está no Corinthians. É um ciclo que se encerra. Ele fez excelente trabalho e participou diretamente de projetos importantes. Saídas são naturais, acontecem. Mas conto com ele para achar um novo profissional para gerenciar o marketing.

A saída do Caio foi decisão dele ou do clube? Houve problemas?
Não, não houve problema, foi uma decisão do próprio Caio. Eu mesmo já troquei de empresas várias vezes. Quando você sente que concluiu um trabalho, você acaba buscando novos desafios. Ele está saindo agora, mas vai fazer parte da transição e, principalmente, ajudar a finalizar alguns projetos.

Mas como ficam os projetos que estavam sendo tocados pelo Caio?
Todo o departamento de marketing está trabalhando nos projetos em andamento. Eu mesmo vou ficar em cima de tudo. Sem o Caio, vamos nos dedicar ainda mais ao trabalho na Arena Corinthians. O estádio é a nossa maior prioridade.

Quais outros projetos de marketing estão em andamento?
Não posso falar de todos os projetos que estamos tocando, mas posso adiantar que sexta-feira vamos reunir a imprensa para anunciar novidades sobre o programa Fiel Torcedor. Será algo bastante inovador para o mercado esportivo.

Como estão as negociações do naming rights da Arena Corinthians? Alguma novidade?
Quem é o responsável pela Arena Corinthians é o Andrés (Sanchez). Temos um acordo de que apenas ele responde pelo estádio.

ÚLTIMOS PROBLEMAS NO DEPARTAMENTO

Fiel Torcedor
Departamento de marketing mantém a empresa Omni Group e Omnisys como administradora do programa, mas tirou algumas de suas atribuições e diminuiu a qualidade do serviço. Divulgação de promoções é um exemplo de equívoco.

Camarotes e cativas
O acidente foi utilizado como explicação, mas a demora para o início das vendas já é maior do que o previsto. São 89 camarotes e mais de três mil cadeiras para serem vendidas até a abertura da Arena Corinthians.

TV Corinthians
Projeto de uma emissora particular, com programação própria em TV a cabo, naufragou. Neste momento, quase sem recurso financeiro, o canal oficial do clube no Youtube luta para manter a chama acesa na torcida.

Naming Rights
Andrés Sanchez resolveu assumir sozinho a busca por uma empresa que pudesse comprar o direito sobre o nome da Arena Corinthians. Fez algumas viagens para os Emirados Árabes e admite que está atrasado.

Ações com jogadores
Bastava uma data especial para que o marketing fosse acionado e o torcedor fosse chamado nas redes sociais. Em outubro de 2012, por exemplo, seis atletas, entre eles Cassio (foto), foram “transformados” em monstros devido ao Halloween. Não há mais ações.

Ações solidárias
Ajuda à cidade São Luiz do Paraitinga, devastada pelas chuvas em 2010, e ações a favor de entidades beneficentes viraram coisas do passado. Ações de solidariedade não foram mais vistas.

AÇÕES DE SUCESSO DO DEPARTAMENTO

Camisas e kit “Eu Nunca Vou Te Abandonar”
Foram mais de 500 mil kits vendidos depois do rebaixamento. Nem o depar-tamento de marketing esperava tama-nho sucesso em dezembro de 2007.

Medial Saúde
Mesmo na Série B do Brasileirão, o Corinthians conseguiu o maior contrato de patrocínio do país na temporada 2008 (R$ 16,5 milhões).

Fiel Torcedor
Projeto era anterior à gestão de Andrés Sanchez, mas foi aperfeiçoado e chegou ao seu ápice nos últimos anos, com mais de cem mil cadastrados. Neste momento, ações para a melhoria do programa estão deixadas de lado.

Camisa 3, roxa
Milhares de camisas vendidas, apesar da resistência das torcidas organizadas. Terceiro uniforme numa cor que não era preto nem branco virou febre.

Timão Tur
Agência de turismo oficial, criada pelo departamento. Por um período, fez sucesso com a torcida, que utilizada o serviço nas partidas como visitante, mesmo com o valor acima do mercado.

O Timão Tem Sua Cara
Modelo da camisa que contava com fotinho de torcedores. O interessado em colocar um retrato pagava R$ 1 mil.

Ronaldo e patrocínios
O marketing foi fundamental na contratação do Fenômeno, já que a maior parte do salário vinha dos patrocínios da manga e da parte inferior da camisa. Patrocínios foram obtidos (Neo Química, Fisk e TIM) e a passagem de Ronaldo acabou sendo um sucesso.

Filmes
“Fiel, o Filme”; “23 anos em 7 segundos”; “Invasão de 76”; “100 anos”. Foram alguns dos filmes lançados pelo clube – o primeiro chegou a ser veiculado nos cinemas de todo país.

Festa do Centenário
Não havia jogo no Centro, mas 140 mil torcedores foram ao Vale do Anhan-gabaú para acompanhar a virada de 31 de agosto para 1 de setembro de 2010.

República Popular
Campanha criada para o centenário com a Nike e a agência F/Nazca, que simulou que a torcida do clube fosse um país, com mapa, passaporte e afins. Ganhou o prêmio “idea of The World” desbancando outras agências de publicidade do grupo mundial S&S.

Epidemia Corinthiana
Campanha em parceria com a agência F/Nazca retratava a invasão da doença ”Locospirose” no território japonês, às vésperas do Mundial de Clubes que seria disputado no país. A febre dava direito até a manifesto próprio, e o mapa de infectados era visto no site.

Caixa Econômica Federal
Depois de um período sem patrocínio master, o marketing conseguiu ter o banco como parceiro, num acordo que vai durar dois anos – e R$ 30 milhões por ano. Foi o primeiro a conseguir parceria com a instituição.