icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
26/12/2013
19:47

A repercussão da estreita relação entre Emerson e o diretor-adjunto Duílio Monteiro Alves foi imediata. Mas a acusação por parte da oposição do Corinthians é antiga. Em recente entrevista, um dos líderes da oposição e candidato à presidência nas últimas eleições, Paulo Garcia, acusou um membro da diretoria do clube de sair com os jogadores do elenco na balada.

Segundo o cartola, essa relação foi um dos problemas internos que recaíram sobre o técnico Tite durante o segundo semestre. Eliminado na Copa do Brasil, o Timão terminou em 10° lugar no Campeonato Brasileiro.

- É um momento triste porque o Corinthians vinha em uma crescente e infelizmente perderam a mão. Colocaram pessoas que eu sabia que ia dar nisso: diretores que saem com os jogadores na balada. O único que tem comando é o Tite - afirmou Garcia, à rádio Bandeirantes.

No dia seguinte, com veemência, o diretor de futebol Roberto de Andrade respondeu:

- Os diretores somos eu e o Duílio (Monteiro Alves, diretor-adjunto), que temos família. Como é que fala que vamos para a noite? Nós não somos de um buffet infantil que coloca no carro e leva para os lugares. (Os jogadores) são todos adultos.

- É mentira falar um negócio desse e é irresponsável. Eu trabalho o dia inteiro, vou à tarde para o Corinthians e depois vou para a minha casa. Se fosse verdade também não é da opinião dele, pois da minha vida cuido eu e cada atleta cuida da sua. Se eu estivesse carregando alguém para a Igreja, ele iria falar? - indagou.

Por fim, o dirigente ainda classificou Paulo Garcia como ausente do clube.

- Por ele ser da oposição fala isso. Ele não passa na porta do Corinthians faz seis meses. Fazer política não é falar mal de ninguém. Faça política com argumentos contra a gestão e não contra pessoas porque isso é muito ruim - concluiu.