icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese
icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese
12/07/2013
09:16

A chegada do zagueiro Cleber ao Corinthians, antes quase selada, teve uma mudança inesperada na tarde da última quinta-feira. Ponte Preta e Timão haviam entrado em acordo pela transferência, de cerca de R$ 8 milhões, que seria pago por um investidor. Após discordâncias nos termos, no entanto, os clubes resolveram abrir mão deste investidor e agora procuram outro parceiro para finalizar o negócio. Recentemente, DIS e Traffic já mostraram interesse no jogador.

O nome do investidor inicial havia sido mantido em sigilo a pedido do Timão, pois causaria repercussão negativa, prato cheio para opositores da atual gestão. O parceiro em questão seria o fundo inglês Doyen Sports, representado pelo empresário Renato Duprat no Brasil. Duprat foi o intermediário do acordo entre clube e o fundo Midia Sports Investment (MSI) no fim de 2004, sendo investigado e denunciado por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha depois dos escândalos de 2007.

Apesar de ter a ação penal contra ele considerada inepta por duas vezes, a última em setembro de 2011, pelo Tribunal Regional Federal da 3 Região (TRF3), Duprat ainda sofre resistência no Parque São Jorge. No caso de Cleber, ele foi indicado pelo ex-presidente Andrés Sanchez, porque disse que deseja voltar a entrar de cabeça no mercado brasileiro.

Recentemente, Duprat retomou negócios com o Santos – de onde havia saído queimado –, ao acertar a contratação do lateral Cicinho, atleta também comprado da Ponte.

Cleber já realizou exames cardiológicos porque não aguenta mais esperar para ser oficializado como novo jogador do Corinthians. Ele tem treinado em uma academia particular e espera o desfecho da situação para fazer os últimos exames e começar a treinar no CT Joaquim Grava.

Segundo pessoas próximas ao zagueiro, ele não cogita outra opção senão defender o Timão em breve.

O Corinthians, apesar de ter dinheiro em caixa, ainda mais após a venda de Paulinho (o clube ficou com R$ 24,5 milhões), só vai investir para comprar 20% dos direitos de Cleber. A definição é esperada entre hoje e a próxima segunda-feira.

QUEM SÃO?

Renato Duprat
É um empresário que ficou conhecido no futebol por ser herdeiro do Unicor, grupo de saúde que patrocinou o Santos entre 1995 e 1999. Duprat foi acusado pela CPI do Futebol de deixar uma dívida de R$ 1,2 milhão no Santos quando saiu. Em 2004, no Timão, fez o elo entre o iraniano Kia Joorabchian, ex-presidente do MSI, e o ex-presidente do Timão, Alberto Dualib.

Doyen Sports
Fundo inglês, cuja sede na realidade é localizada na ilha de Malta. Patrocina clubes de futebol e jogadores, como o atacante colombiano Radamel Falcao. Levou Cicinho da Ponte para o Santos.

DUPRAT-MSI

Parceria
No fim de 2004, com intermediação de Renato Duprat, o MSI decide investir no Corinthians. Até 2007, quando acabou, foram investidos cerca de US$ 32 milhões. No fim de 2006, a relação se estremeceu e craques, como Tevez, saíram.

Denúncias
Duprat e outros, entre eles o ex-presidente Alberto Dualib, o ex-vice Nesi Curi, Kia e o magnata russo Boris Berezovsky, foram alvos de denúncia de lavagem de dinheiro e crime de contrabando. Gravações telefônicas revelaram conversas
de Duprat com Kia e Dualib.

Inépcia da ação
Representado pelo advogado Adriano Salles Vanni, Duprat teve ação criminal contra ele trancada pela segunda vez em 2011. Ele alega que sempre foi inocente no caso.

A chegada do zagueiro Cleber ao Corinthians, antes quase selada, teve uma mudança inesperada na tarde da última quinta-feira. Ponte Preta e Timão haviam entrado em acordo pela transferência, de cerca de R$ 8 milhões, que seria pago por um investidor. Após discordâncias nos termos, no entanto, os clubes resolveram abrir mão deste investidor e agora procuram outro parceiro para finalizar o negócio. Recentemente, DIS e Traffic já mostraram interesse no jogador.

O nome do investidor inicial havia sido mantido em sigilo a pedido do Timão, pois causaria repercussão negativa, prato cheio para opositores da atual gestão. O parceiro em questão seria o fundo inglês Doyen Sports, representado pelo empresário Renato Duprat no Brasil. Duprat foi o intermediário do acordo entre clube e o fundo Midia Sports Investment (MSI) no fim de 2004, sendo investigado e denunciado por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha depois dos escândalos de 2007.

Apesar de ter a ação penal contra ele considerada inepta por duas vezes, a última em setembro de 2011, pelo Tribunal Regional Federal da 3 Região (TRF3), Duprat ainda sofre resistência no Parque São Jorge. No caso de Cleber, ele foi indicado pelo ex-presidente Andrés Sanchez, porque disse que deseja voltar a entrar de cabeça no mercado brasileiro.

Recentemente, Duprat retomou negócios com o Santos – de onde havia saído queimado –, ao acertar a contratação do lateral Cicinho, atleta também comprado da Ponte.

Cleber já realizou exames cardiológicos porque não aguenta mais esperar para ser oficializado como novo jogador do Corinthians. Ele tem treinado em uma academia particular e espera o desfecho da situação para fazer os últimos exames e começar a treinar no CT Joaquim Grava.

Segundo pessoas próximas ao zagueiro, ele não cogita outra opção senão defender o Timão em breve.

O Corinthians, apesar de ter dinheiro em caixa, ainda mais após a venda de Paulinho (o clube ficou com R$ 24,5 milhões), só vai investir para comprar 20% dos direitos de Cleber. A definição é esperada entre hoje e a próxima segunda-feira.

QUEM SÃO?

Renato Duprat
É um empresário que ficou conhecido no futebol por ser herdeiro do Unicor, grupo de saúde que patrocinou o Santos entre 1995 e 1999. Duprat foi acusado pela CPI do Futebol de deixar uma dívida de R$ 1,2 milhão no Santos quando saiu. Em 2004, no Timão, fez o elo entre o iraniano Kia Joorabchian, ex-presidente do MSI, e o ex-presidente do Timão, Alberto Dualib.

Doyen Sports
Fundo inglês, cuja sede na realidade é localizada na ilha de Malta. Patrocina clubes de futebol e jogadores, como o atacante colombiano Radamel Falcao. Levou Cicinho da Ponte para o Santos.

DUPRAT-MSI

Parceria
No fim de 2004, com intermediação de Renato Duprat, o MSI decide investir no Corinthians. Até 2007, quando acabou, foram investidos cerca de US$ 32 milhões. No fim de 2006, a relação se estremeceu e craques, como Tevez, saíram.

Denúncias
Duprat e outros, entre eles o ex-presidente Alberto Dualib, o ex-vice Nesi Curi, Kia e o magnata russo Boris Berezovsky, foram alvos de denúncia de lavagem de dinheiro e crime de contrabando. Gravações telefônicas revelaram conversas
de Duprat com Kia e Dualib.

Inépcia da ação
Representado pelo advogado Adriano Salles Vanni, Duprat teve ação criminal contra ele trancada pela segunda vez em 2011. Ele alega que sempre foi inocente no caso.