icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes, Maurício Oliveira e Thiago Salata
22/06/2014
20:16

A Seleção Brasileira pode abrir mão do futebol-arte e vistoso, que o caracterizou durante a história, para apostar na coletividade e na competitividade. Para o zagueiro e capitão Thiago Silva, a prioridade agora é vencer e classificar para se aproximar do objetivo final, que é conquistar o hexa.

– A impressão que queremos passar é a de um time bem coeso, que joga um bom futebol coletivo. Nos últimos jogos temos tido dificuldades, mas queremos mostrar o comprometimento que temos conosco mesmos. Se chegamos até aqui foi com esse comprometimento. O que queremos é vencer. Fazer aquilo que o professor pede. O resto é consequência. Se acontecer uma goleada, será muito bom. Mas tem de dar primeiro o respeito ao adversário. E vencer, que é o nosso objetivo – afirmou Thiago Silva.

Nos dois primeiros jogos, a Seleção foi criticada pelo baixo nível técnico de seu futebol. Na estreia, na Arena Corinthians, contra a Croácia, empatava por 1 a 1 até o árbitro errar e marcar um pênalti em falta inexistente em cima de Fred. Com gols de Neymar (2) e Oscar, venceu por 3 a 1. Na segunda partida, no Castelão, em Fortaleza, foi dominada em parte do jogo contra o México e não saiu do 0 a 0.

Os resultados fizeram alguns jogadores, como Paulinho e Fred, principalmente, serem criticados por estarem jogando abaixo do que mostraram na Copa das Confederações do ano passado, por exemplo.

Para Thiago Silva, os atletas sabem suportar a pressão e a cobrança. A preocupação é só com a família.

– Pressão é boa até o momento em que podemos fazer algo para melhorar. Não nos importamos com isso. Sabemos da nossa responsabilidade. A pressão faz parte do futebol. Quem não quer ter pressão tem de mudar de ramo. O que ficamos chateados é com alguns tipos de comentários mal intencionados que podem afetar nossa família.

O capitão também defendeu Fred, que passou em branco nos dois primeiros jogos:

– Fred continua sendo o cara importante da nossa equipe da mesma maneira. Ele não tem de fazer gols todos os jogos. Tem de participar, ajudar a equipe. Abrir espaço para Neymar, Oscar. Neste momento ele tem de pensar no grupo.