icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
12/06/2014
20:27

Quando a transmissão oficial da Fifa exibiu os jogadores de Brasil e Croácia enfileirados no túnel de acesso para o gramado da Arena Corinthians, Thiago Silva tentava controlar as lágrimas. Emocionado, o estreante capitão conduiziu a Seleção Brasileira para o centro do campo e entoou o Hino Nacional em ritual consagrado na Copa das Confederações do ano passado.

- O Hino está fazendo parte da Seleção Brasileira. Nós criamos um ritual novo, de entrar com o braço no ombro, como na época de escola, uniformizado. E eu acho que o Hino cantado pela torcida influencia muito. Os adversários já estão um pouquinho mais preparados para isso, mas acredito que o nervosismo e o respeito batem muito neles - destacou o zagueiro, sobre o momento em que os torcedores cantaram a segunda parte do Hino sem o acompanhamento do sistema de som do estádio em Itaquera.

Além da sintonia com as arquibancadas, Thiago Silva elegeu a vontade em reanimar o técnico Luiz Felipe Scolari como determinante para a vitória de virada por 3 a 1 sobre a Croácia. Desde que a Seleção Brasileira passou a se concentrar em Teresópolis (RJ), Felipão recebeu duas notícias tristes: as mortes de um cunhado e de um sobrinho.

- Eu tinha certeza que hoje nós iriamos fazer um bom jogo e sair com a vitória para tentar alegrá-lo um pouquinho, né? Porque a gente sabe que é complicado perder um parente assim tão próximo. Graças a Deus deu certo. É por isso que eu tava tão emocionado naquele momento - admitiu.