icons.title signature.placeholder Guilherme Cardoso
icons.title signature.placeholder Guilherme Cardoso
25/07/2013
13:57

Duas provas disputadas e duas medalhas de ouro garantidas. Até agora, esse tem sido o desempenho de Terezinha Guilhermina no Mundial de Atletismo Paralímpico, em Lyon (FRA). Na tarde desta quinta-feira, ela ficou com a primeira colocação na prova dos 400m, na categoria T11 (para deficientes visuais).

A brasileira terminou a disputa em 56s56, estabelecendo um novo recorde do campeonato. O curioso é que ela não correu com seu guia habitual, Guilherme Santos, machucado. Durante a prova, ele teve a companhia Wendel Souza, o Pirulito.

A segunda colocação na disputa foi da angolana Maria Silva, com 1m00s21. Já a tcheca Miroslava Sedlackova veio em seguida, com 1m02s48.

- Sempre tento o suicídio nos 400m. Um dia eu morro na distância. Estou no último ano da faculdade (de Psicologia), mas, no ano que vem, me formo e será mais fácil treinar para os 400m - afirmou a atleta, que estava muito cansada.

Vale lembrar que Terezinha já tinha conquistado a medalha de ouro na disputa dos 100m, na mesma classe.

*O repórter viaja a convite do Comitê Paralímpico Brasileiro

Duas provas disputadas e duas medalhas de ouro garantidas. Até agora, esse tem sido o desempenho de Terezinha Guilhermina no Mundial de Atletismo Paralímpico, em Lyon (FRA). Na tarde desta quinta-feira, ela ficou com a primeira colocação na prova dos 400m, na categoria T11 (para deficientes visuais).

A brasileira terminou a disputa em 56s56, estabelecendo um novo recorde do campeonato. O curioso é que ela não correu com seu guia habitual, Guilherme Santos, machucado. Durante a prova, ele teve a companhia Wendel Souza, o Pirulito.

A segunda colocação na disputa foi da angolana Maria Silva, com 1m00s21. Já a tcheca Miroslava Sedlackova veio em seguida, com 1m02s48.

- Sempre tento o suicídio nos 400m. Um dia eu morro na distância. Estou no último ano da faculdade (de Psicologia), mas, no ano que vem, me formo e será mais fácil treinar para os 400m - afirmou a atleta, que estava muito cansada.

Vale lembrar que Terezinha já tinha conquistado a medalha de ouro na disputa dos 100m, na mesma classe.

*O repórter viaja a convite do Comitê Paralímpico Brasileiro