icons.title signature.placeholder João Pires
21/03/2014
16:10

O tênis de mesa é um dos únicos esportes que permite o desafio entre atletas olímpicos e paralímpicos. Nesta sexta-feira, em Manaus (AM), foi possível perceber isso: o cadeirante Alexandre Ank enfrentou o atleta Jesse Tagino, pela categoria sênior (uma das classes inferiores da modalidade) da Copa Brasil.

Alexandre anfrentou o seu rival de igual para igual, mas acabou derrotado no fim. Vale lembrar que os atletas paralímpicos podem se inscrever tanto nas disputas paralímpicas quanto nas olímpicas no tênis de mesa. Na Copa Brasil, a única determinação neste tipo de duelo é que o saque do atleta olímpico não pode sair muito da mesa, tendo em vista o limite de movimentação do rival.

O paratleta mineiro jogou foi campeão no Pan-Americano do Rio, em 2007, e ainda disputou os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, onde não passou de fase. Ele explicou que joga tênis de mesa desde 2003.

- Tem 11 anos que jogo e sou cadeirante desde 1996, quando sofri um acidente e fiquei paraplégico. Foi por acaso que cheguei ao tênis de mesa. Começei com natação, mas não me classifiquei para o primeiro evento que tentei. Um dia, no ginásio do Praia Clube, em Uberlândia (MG), me chamaram para jogar tênis de mesa. Eu entrei somente para completar, mas foi aí que começou minha trajetória - disse Alexandre.

A Copa Brasil de Tênis de Mesa segue até domingo, dia das finais. O evento conta ponto para o ranking nacional e é um dos oito principais torneio da modalidade no calendário brasileiro.

*O repórter viaja a convite da CBTM