icons.title signature.placeholder Carlos Alberto Vieira
18/06/2014
17:36

O temporal que caiu em Manaus quatro horas antes do jogo desta quarta-feira entre Camarões e Croácia resultou em um nó no já caótico trânsito do entorno da Arena da Amazônia. Com a principal avenida (Constantino Nery) fechada desde o início da tarde, todo fluxo recaiu em uma rua pararela, a  Djalma Batista, incluindo os ônibus que teoricamente deveriam deixar os passageiros na parada próxima ao estádio. O resultado foi um engarrafamento monstruoso que irradiou até o centro da cidade, cerca de 7km de distância. E o público teve de andar pelo menos 2km à pé para alcançar a Arena. Sob chuva, às vezes forte, às vezes fraca.


- Não consigo entender. O governador e o prefeito dizem para pegarmos ônibus para chegarmos ao estádio com conforto. Qual o conforto? Disse o aposentado Paulo Martins, de 65 anos. Felizmente ele mostrou que está muito bem fisicamente para a longa caminhada de ida. E depois do jogo ainda terá a volta.


Paulo disse que irá torcer para Camarões. Será um bom reforço para os africanos. Afinal, ao circular no entorno do estádio três horas antes do apito inicial, a reportagem do LANCENET! contou apenas cinco. Entre eles o garoto Ryan e a sua mãe, Lucille. Os dois tiravam fotos próximos da entrada principal da Arena enquanto aguardavam os outros três amigos que davam entrevista para uma televisão inglesa.


- Estou achando o clima bem agradável. Espero que esta chuva continue. Facilitará o jogo do nosso time, disse Ryan, apostando no placar de 5 a 0 para Camarões. A mãe arfregalou os olhis e disse que ele só poderia estar maluco.


O número de croatas era um maior.  Perto de 50 torcedores, quase todos com a camisa quadriculada.


- Espero uma boa vitória. Acho que o problema maior será o México. Vamos precisar vencê-los também e eles são bem mais difíceis. Contra Camarões vamos fazer 2 a 0, disse o croata Vinko, ao lado da mulher Norma e da filha Isa. O trio está de férias em Manaus e o jogo desta quarta-feira é o único que eles irão assistir da sua seleção.


- Gostamos em futebol, mas não somos tão fanáticos. Ver este jogo já está bom demais - concluiu.