icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
22/07/2014
09:45

Além de ter situação financeira difícil, o Santos não deve contar com a Teisa (Terceira Estrela Investimentos) nesta janela de transferências.

A empresa, formada por santistas, está a detalhes de se tornar um fundo de investimentos. Porém, o processo estacionou, e o principal motivo é a eleição alvinegra em dezembro. O temor é de que um dos grupos de oposição vença, rompa as relações com a Teisa e, assim, os investidores possam ter prejuízo.

Além disso, para a criação do fundo é preciso captar mais recursos, já que os custos de manutenção são altos

Ano passado, em reunião do Conselho Deliberativo do Santos, a Teisa anunciou que tinha cerca de R$ 5 milhões. Porém, R$ 4 milhões já não estão mais no caixa. A quantia foi emprestada ao Peixe no início do ano e ainda não foi paga, bem como o valor que a empresa tem direito pela venda de Montillo ao Shandong Luneng (CHN) – aproximadamente R$ 2,4 milhões. Como contrapartida do empréstimo, o Peixe repassou 41% de Arouca à Teisa, que já tinha 20%.

Contatado pela reportagem do LANCE!Net, Alexandre Bourgeois, executivo da Teisa, evitou comentar o assunto, mas admitiu que é remota a possibilidade de a empresa participar de alguma operação de compra nesta janela de transferências.

Atualmente, a Teisa tem participação nos direitos econômicos de Arouca, Cicinho e Mena.