icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese e Rodrigo Vessoni
24/02/2015
06:07

A saída de Jadson deve ser confirmada pelo Corinthians ainda nesta terça-feira. E caberá ao técnico Tite encontrar um substituto para o camisa 10, que atuará no futebol chinês. Apesar da dor de cabeça de perder um dos seus principais jogadores, o treinador tem opções em seu atual elenco. Ao menos, quatro delas aparecem como principais possibilidade.

A primeira é colocar Danilo. O meia iniciou a temporada em alta e voltou a cair nas graças de Tite. Rendeu bem como homem mais avançado na ausência de Guerrero, mas está acostumado a fazer a função pela beirada do campo, como vinha atuando Jadson. Experiência e sua estrela contam a favor. Porém, no 4-1-4-1 de Tite, Elias tem liberdade para subir e, algumas vezes, Jadson era recuado para compor a marcação. Além disso, é obrigação fechar o lateral e meia-atacante, aos 35 anos de idade, pode sentir o ritmo em uma sequência de jogos. Time pode perder velocidade.

A segunda opção é Petros. Com o camisa 40, o time ganharia mais velocidade e pegada no meio de campo. Com Mano, ele fazia a função aberto pela esquerda, mas pode fazê-la pela direita. Tite o vê mais como um segundo volante com boa saída. Com isso, Elias poderia ganhar ainda mais liberdade. A parte negativa seria a diferença de característica, já que Petros não tem o passe nem a visão de jogo de Jadson, além de não cadenciar e não decidir como Danilo. Se o time ganha em força, perde em criação com o jogador. Assim como Jadson, ele também pensou em deixar o clube por começar sem espaço com o treinador.


Cristian seria a terceira opção do treinador. O volante atuou como terceiro homem de meio de campo no Fenerbahçe, em boa parte de sua passagem pela Turquia. Ele poderia ser testado à frente de Elias, ao lado de Renato Augusto. A condição física, ainda longe da ideal, poderia atrapalhar. Isso sem falar na questão de readaptação do jogador à posição e da adaptação da equipe a ele com esse posicionamento.

A quarta possibilidade é a colocação de um atacante, que atuaria ao lado de Emerson Sheik e Guerrero, num esquema que ficaria superofensivo. Vagner Love, Malcom e Luciano poderiam ser colocados por Tite. Nesse caso, o que jogaria contra é a falta de recomposição defensiva. Se não houvesse uma colaboração do escolhido, a equipe certamente sentiria.

Agora, será com Tite...