icons.title signature.placeholder Marcio Porto
22/11/2014
08:04

A trajetória de Rogério Ceni pela Seleção Brasileira não pode ser ignorada, mas não chega nem perto da caminhada vitoriosa que o goleiro traçou no São Paulo. Porém, há quem acredite que poderia e deveria ser diferente.

Emerson Leão foi o técnico que mais deu oportunidades a Ceni com a Amarelinha. Talvez o único, de fato. A análise é dele. Entre 2000 e 2001, o Mito teve uma sequência de sete jogos, sua maior pela Seleção, e cinco foram sob o comando do ex-goleiro, campeão do mundo pelo Brasil em 1970. Uma injustiça, segundo Leão.

– Pelo que ele foi merecia uma titularidade na Seleção muito mais prematura do que foi comigo. Ele esperou um pouco no São Paulo com o Zetti, mas quando entrou tomou conta. Se preparou para isso. A mesma coisa tinha de ser na Seleção e não fizeram. Quando foi competir já foi com goleiros titulares – afirmou Leão, em entrevista ao LANCE!Net, sem fazer citações a quem veio depois.

- Não digo que foi injustiça não ter disputado uma Copa como titular, mas no momento dele o gol já tinha dono. Não tinha uma dúvida como tem hoje. Antigamente, goleiro ficava dez anos como titular - completou o técnico, que está desempregado.

Rogério Ceni disputou 17 jogos pela Seleção. A sequência com Leão foi da vitória de 5 a 0 sobre a Bolívia, em setembro de 2000, ao empate em 1 a 1 com o Peru, ambos pelas Eliminatórias para a Copa de 2002.

Para azar de Ceni, Leão foi demitido antes do Mundial. Deu lugar a Felipão, que sempre deu preferência a Marcos, com quem trabalhou no Palmeiras. O são-paulino continuou sendo chamado, mas foi apenas o terceiro goleiro na conquista do pentacampeonato no Japão.

O primeiro treinador a dar chance a Rogério foi Zagallo, na Copa das Confederações de 1997. A competição rendeu um episódio desagradável. Após a conquista do título, surgiu a ideia de raspar a cabeça dos campeões. Ceni não queria, mas foi vítima e ficou irritado. Coincidência ou não, não entrou mais em campo com o Velho Lobo.

Já com Leão voltou a trabalhar no São Paulo em duas ocasiões. Na primeira, entre 2004 e 2005, venceram o Paulistão e prepararam o terreno para a conquista da Libertadores e do Mundial, em 2005. O técnico recebeu uma proposta do Japão e saiu antes desses títulos. Voltou em 2011, sem sucesso.

– Tudo que o São Paulo fizer para homenageá-lo, ainda assim será pouco, por tudo que representa – afirmou Emerson Leão.

Em 2006, durante a Copa, Ceni recebeu de Parreira um prêmio. Era o terceiro goleiro, mas entrou na vitória de 4 a 1 sobre o Japão, na primeira fase.

Confira abaixo a lista de jogos do M1TO pela Seleção Brasileira:

16/12/1997 - Copa das Confederações - Brasil 3 x 2 México - Riad (Arábia Saudita)
14/10/1998 - Amistoso - Brasil 5 x 1 Equador - Washington (Estados Unidos)
18/11/1998 - Amistoso - Brasil 5 x 1 Rússia - Fortaleza (CE)
28/03/1999 - Amistoso - Coréia do Sul 1 x 0 Brasil - Seoul (Coréia do Sul)
31/03/1999 - Amistoso - Japão 0 x 2 Brasil - Tóquio (Japão)
28/04/1999 - Amistoso- Barcelona 2 x 2 Brasil - Barcelona (Espanha)
03/09/2000 - Eliminatórias da Copa do Mundo - Brasil 5 x 0 Bolívia - Rio de Janeiro (RJ)
08/10/2000 - Eliminatórias da Copa do Mundo - Venezuela 0 x 6 Brasil - Maracaibo (Venezuela)
15/11/2000 - Eliminatórias da Copa do Mundo - Brasil 1 x 0 Colômbia - São Paulo (SP)
03/03/2001 - Amistoso - Estados Unidos 1 x 2 Brasil - Pasadena (EUA)
07/03/2001 - Amistoso - México 3 x 3 Brasil - Guadalajara (México)
28/03/2001 - Eliminatórias da Copa do Mundo - Equador 1 x 0 Brasil Quito (Equador)
24/04/2001 - Eliminatórias da Copa do Mundo - Brasil 1 x 1 Peru - São Paulo (SP)
21/08/2002 - Amistoso - Brasil 0 x 1 Paraguai - Fortaleza (CE)
27/04/2005 - Amistoso - Brasil 3 x 0 Guatemala - São Paulo (SP)
01/03/2006 - Amistoso - Brasil 1 x 0 Rússia - Moscou (Rússia)
22/06/2006 - Copa do Mundo: Brasil 4 x 1 Japão - Dortmund (Alemanha)