icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
06/12/2013
14:36

O técnico do Rayo Vallecano, Paco Jémez, confirmou o interesse do clube na contratação de Valdivia. Conhecedor do meia chileno, com quem já trabalhou no time espanhol na temporada 2003/2004, o comandante admitiu, porém, que a transação dependerá da parte financeira, já que o jogador é caro. De acordo com Jémez, a chegada do Mago pode fazer com que o Rayo, que agora luta contra o rebaixamento no Espanhol, sofra uma reviravolta e sonhe até com a Liga Europa.

- Analisamos muitos nomes, e um deles é o de Jorge Valdivia. Pedi aos dirigentes o jogador, mas tudo dependerá das condições financeiras. Fomos companheiros e sei que ele pode render. Já jogou na Europa e na Copa. Ele poderia nos fazer melhorar e conseguir a permanência na Primeira Divisão. Até sonhar com a Liga Europa. Hoje parece distante, mas não está tão longe - alegou o comandante do 17º colocado no Espanhol, em entrevista para o jornal "La Tercera".

Valdivia tem contrato com o Verdão até agosto de 2015 e tem um alto salário, em torno de R$ 500 mil. Convivendo com lesões desde que voltou, em 2010, o jogador realiza um trabalho especial para evitar mais contusões, feito com Palmeiras e seleção. O técnico Jorge Sampaoli chegou a cobrar o meia, dizendo que ele precisava melhorar sua condição física para disputar a Copa de 2014 pelo Chile. Segundo Paco Jémez, o Rayo pode dar esta oportunidade ao jogador, que alega não ter recebido nenhuma proposta.

- Imagino que ele queira jogar, ganhar a regularidade para o Mundial e a Espanha é um bom lugar para que ele a consiga - acrescentou.

- (Chama a atenção) a maneira como Valdivia interpreta futebol, que é distinta. Repito: somos um clube pequeno economicamente, mas se ele chegar, poderia encaixar muito bem em nosso esquema - completou.

Em 2013, o Mago voltou a jogar bem na Série B do Brasileiro depois de ficar 114 dias sem entrar em campo no primeiro semestre por conta de uma lesão muscular. O Palmeiras, durante a gestão de Paulo Nobre, não comenta sobre negociações, mas o presidente já disse que "nenhum jogador é inegociável".