icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
20/07/2013
16:45

Para o jogo contra o América-MG, valendo pela nona rodada do Campeonato Brasileiro da Série B, o técnico da Chapecoense, Gilmar Dal Pozzo, acredita em um jogo complicado diante do rival mineiro que, segundo ele, também brigará pelo acesso à elite do futebol brasilero.

- É um jogo importantíssimo dentro das nossas pretensões, dos nossos objetivos, mas temos a consciência do valor do adversário, das suas características e objetivos, pois lutam pelo acesso. Então vai ser um jogo muito difícil, principalmente pela postura do América, que marca forte, que joga em velocidade. Vamos precisar ter paciência, rodar bem a bola, acertar o passe, fazer a transição e não abrir mão daquilo que é nosso forte, que é a marcação - contou o treinador.

Sobre a presença da torcida, o treinador citou o jogo contra o Paysandu, válido pela sexta rodada, quando o torcedor foi preponderante para conseguir os três pontos naquela partida.

- Claro que contamos com o apoio do torcedor, porque o que vem na minha cabeça é o torcedor na vitória contra o Paysandu, que acreditou até o fim - lembrou o técnico, que segue invicto na competição até aqui.

Pela primeira vez, o lateral-esquerdo Anderson Pico estará à disposição de Dal Pozzo. O jogador, considerado o Bola de Prata da Séria A em 2012, quando defendia o Grêmio, poderá não conseguir atuar os 90 minutos, no entanto, o treinador ciente da situação, apenas quer o melhor de Pico em campo e ajude a equipe a se manter na liderança.

- Eu quero o Anderson Pico com uma intensidade forte, seja 35, 45, 70 minutos, enfim. Quero o melhor dele em campo. Mas acredito que ele tenha condições para encarar os noventa minutos e contribuir muito com a gente - declarou Gilmar.

O jogo entre Chapecoense e América-MG, que seria às 16h deste sábado, foi adiado, a pedido do Coelho, para o mesmo horário de domingo, por conta do mau tempo em Chapecó, nesta sexta-feira, o que impediu o pouso dos mineiros na cidade, forçando-os a pararem em Florianópolis e seguirem de ônibus até Chapecó, viagem que dura cerca de nove horas.

Para o jogo contra o América-MG, valendo pela nona rodada do Campeonato Brasileiro da Série B, o técnico da Chapecoense, Gilmar Dal Pozzo, acredita em um jogo complicado diante do rival mineiro que, segundo ele, também brigará pelo acesso à elite do futebol brasilero.

- É um jogo importantíssimo dentro das nossas pretensões, dos nossos objetivos, mas temos a consciência do valor do adversário, das suas características e objetivos, pois lutam pelo acesso. Então vai ser um jogo muito difícil, principalmente pela postura do América, que marca forte, que joga em velocidade. Vamos precisar ter paciência, rodar bem a bola, acertar o passe, fazer a transição e não abrir mão daquilo que é nosso forte, que é a marcação - contou o treinador.

Sobre a presença da torcida, o treinador citou o jogo contra o Paysandu, válido pela sexta rodada, quando o torcedor foi preponderante para conseguir os três pontos naquela partida.

- Claro que contamos com o apoio do torcedor, porque o que vem na minha cabeça é o torcedor na vitória contra o Paysandu, que acreditou até o fim - lembrou o técnico, que segue invicto na competição até aqui.

Pela primeira vez, o lateral-esquerdo Anderson Pico estará à disposição de Dal Pozzo. O jogador, considerado o Bola de Prata da Séria A em 2012, quando defendia o Grêmio, poderá não conseguir atuar os 90 minutos, no entanto, o treinador ciente da situação, apenas quer o melhor de Pico em campo e ajude a equipe a se manter na liderança.

- Eu quero o Anderson Pico com uma intensidade forte, seja 35, 45, 70 minutos, enfim. Quero o melhor dele em campo. Mas acredito que ele tenha condições para encarar os noventa minutos e contribuir muito com a gente - declarou Gilmar.

O jogo entre Chapecoense e América-MG, que seria às 16h deste sábado, foi adiado, a pedido do Coelho, para o mesmo horário de domingo, por conta do mau tempo em Chapecó, nesta sexta-feira, o que impediu o pouso dos mineiros na cidade, forçando-os a pararem em Florianópolis e seguirem de ônibus até Chapecó, viagem que dura cerca de nove horas.