icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
02/11/2013
14:15

Oswaldo de Oliveira comentou a polêmica decisão de Diego Costa de rejeitar a Seleção Brasileira em nome de uma naturalização espanhola para defender a Fúria na Copa do Mundo. O técnico do Botafogo diz entender a posição tomada pelo atacante do Atlético de Madrid, mas deixou claro que não faria o mesmo.

- Isso é uma coisa muito particular. Futebol é o negócio e a profissão dele. Trabalhei 22 anos fora. Fiz dois jogos contra a Seleção Brasileira de juniores. Fiquei muito feliz com a vitória (do Qatar nas quartas de final do Mundial sub-20 na Austrália em 1981, quando era preparador físico), mas triste por ver a Seleção. Mas é a minha profissão. Cada um encara de uma maneira. Ele tem muito argumento de convencimento e parte do lado espanhol, e talvez nem tanto da Seleção. Eu me sentiria mal em vestir uma camisa de outra seleção e vir jogar aqui no Brasil. Tinha que ter muita coragem. Sou apaixonado pela Seleção. A gente sabe onde o calo aperta - comentou.

Por outro lado, o treinador alvinegro vê com entusiasmo a volta de Robinho, do Milan, à Seleção. Oswaldo também torce por um possível retorno de Kaká, jogador que conhece bem dos tempos que o comandou no São Paulo, em seu início de carreira.

- São dois jogadores que fico muito feliz, especialmente o Kaká, que conheci bem, voltando da Copa de 2002. Ele tem seis meses para voltar e se firmar. Só se jogar muito bem que acho que será convocado. Acho que pode conseguir essa proeza. Robinho a mesma coisa. Apareceu aqui, guardando proporções, como o Neymar. Assombrou em 2002. A gente viu que ele não conseguiu se manter em altíssimo nível. Mas tem muita qualidade e torço muito. Se der continuidade e ficar motivado, acho que vamos ter nos dois pelo menos uma dor de cabeça para o Felipão. São dois craques e que podem nos ajudar muito em uma Copa aqui no Brasil - opinou.