icons.title signature.placeholder Gabriela Abrunheiro e Lucas Faraldo Knopf
12/03/2014
20:32

Após o término da “inusitada” partida entre Portuguesa e Bragantino (o primeiro tempo foi realizado na terça-feira, enquanto a etapa final, devido a uma queda de energia no Canindé, aconteceu apenas na tarde desta quarta-feira), o técnico lusitano, Argel Fucks, mostrou-se orgulhoso pela vitória de seus comandados e pela campanha do time na reta final do campeonato. O treinador discursou pedindo respeito aos "soldados" da Lusa.

– Acho que as pessoas têm de começar a respeitar a Portuguesa. Porque aqui existe um grupo de trabalhador, um grupo de soldados, jogadores comprometidos com o clube, existe um treinador de comando, existem pessoas sérias no futebol – proferiu o treinador, comemorando a fuga do rebaixamento à Série A2 (com 17 pontos, a Lusa não pode mais ser alcançada por quaisquer equipes que compõe a zona da degola).

Aliviado com a situação do time rubroverde na tabela do Paulistão, Argel partiu para o ataque. Não sobrou refresco para ninguém. Arquirrivais, Federação Paulista (FPF), Confederação Brasileira de Futebol (CBF)... Todos entraram na mira do treinador.

– Parece que a Portuguesa virou saco de pancada para o Brasil todo. Ninguém mais respeita a Portuguesa. Então agora vão começar a respeitar dentro de campo. A CBF já não respeita, a FPF já não respeita. Parece que eles esquecem da tradição que tem o clube (...) A Federação Paulista não pode esquecer que nós somos afiliados deles. E acho que temos de ser defendidos com unhas e dentes. A gente vê Federação do Rio defendendo time do Rio, a gente vê Federação do Sul defendendo clube do Sul. E a nossa Federação precisa dar uma olhada para cá também.

– Nós não devemos nada para ninguém. Nem para o São Paulo, nem para o Palmeiras, nem para o Corinthians, nem para o Santos, respeitamos todo mundo. Então nós queremos ser respeitados. Eu acredito que esse é o caminho, quando você ganha, ganha, ganha, como a gente está ganhando, o adversário começa a te respeitar, a imprensa começa a te respeitar, todo mundo começa a ver a Portuguesa com outros olhos.

Na Portuguesa desde o início de fevereiro, Argel Fucks esteve à frente da equipe em oito rodadas do Paulistão. Foram cinco vitórias, um empate e duas derrotas. Tais números, somados à infraestrutura encontrada pelo técnico no clube do Canindé, o fizeram confessar o sentimento de ser funcionário da Lusa.

– Muita gente falou para mim que eu era louco de vir para a Portuguesa. Que a Portuguesa ia cair, que a Portuguesa não pagava ninguém, que a Portuguesa era uma bagunça. Falaram bem. Era. Hoje a Portuguesa é organizada, o salário cai em dia. A condição de trabalho é espetacular e é por isso que as coisas acontecem no campo.

Sem chances de se classificar à fase de mata-mata do Paulistão, a Portuguesa cumpre tabela contra Oeste e Rio Claro nas duas últimas rodadas do estadual.