icons.title signature.placeholder Luiz Fernando Gomes e Valdomiro Neto
01/07/2014
07:00

Técnico Joaquim Löw fez muitos elogios ao time francês (FOTO: AFP)

O jogo dramático da Copa de 82, na Espanha, quando França e Alemanha empataram por 3 a 3 nas semifinais e decidiram a vaga nos pênaltis ainda é lembrança obrigatória quando se conta a história dos confrontos ente os dois países. Para o técnico da Alemanha Joachim Löw, no entanto, nada tem a ver com a realidade atual e em nada vai influenciar no jogo das quartas-de-final, na próxima sexta-feira, às 13h, no Maracanã.

- Os jogadores que estão aqui nem eram nascidos naquele ano. Alemanha e França sempre foi um clássico, sempre foi um jogo marcado pela dramaticidade.

Löw fez elogios à transformação que o treinador Didier Deschamps impôs à seleção francesa.

- A França hoje é um time guerreiro, forte na defesa e no meio e que ainda tem Benzema no ataque. Teremos de jogar com muita atenção.

Para o treinador alemão, , nem a sua seleção, nem nenhuma outra equipe pode ser considerada como o destaque da primeira fase ou das oitavas da Copa:

- Vejam o Brasil. Teve que ir até o último pênalti para conseguir a vaga. Nessa fase eliminatória, todas as seleções estão muito motivadas. O importante é se classificar. Não se pode demandar que seleções atuem de maneira fantástica. Temos de vencer. As vezes se é eliminado jogando de forma fantástica. Nos tivemos três vitórias e um empate. Se não tivéssemos jogamdo bem não teríamos feito gols e vencidos.

A semifinal de 82 ficou marcada pela sua prorrogação. Nela, os franceses chegaram a abrir 3 a 1 e permitiram a igualdade dos alemães que, nos pênaltis, venceram e foram à final contra a Itália. Quatro anos depois, em 86, no México, as seleções se reencontrariam também nas semifinais e novamente o resultado seria favorável aos alemães: 2 a 0. 

O vencedor do duelo da próxima sexta enfrentará o Brasil nas semifinais caso a Seleção passe pela Colômbia, em Fortaleza.