icons.title signature.placeholder Mário Boechat e Vinícius Perazzini
17/03/2014
12:10

Nem mesmo o presidente do Tanabi, modesto clube da quarta divisão de São Paulo, sabe direito a dimensão do que conseguiu ao fechar contrato de três meses com o paraguaio Salvador Cabañas, de 33 anos. Irineu Alves, mandatário do clube paulista, falou com exclusividade ao LANCE!Net sobre como concretizou a contratação e fez uma série de revelações curiosas sobre a negociação. A história é uma aventura e tanto.

Irineu atendeu a reportagem do LANCE!Net em uma rodovia da cidade de Maringá (PR). Era a volta dele após uma longa viagem de carro para o Paraguai. Ele partiu no sábado para a cidade de Itaguá, no Paraguai, em uma rota de cerca de 1.100 quilômetros e 14 horas de estrada. No domingo, o presidente conseguiu assinar com o atacante, e nesta segunda-feira de manhã, ele ainda retornava para São Paulo quando concedeu a entrevista. Quando chegar em casa, Irineu espera ver no e-mail o apoio de patrocinadores para aumentar ainda mais o projeto.

E MAIS
- Cabañas retorna aos gramados após quatro anos distante do futebol

- Minha primeira intenção era ajudar o jogador e só agora, vendo toda a repercussão, é que dá para ter uma noção do que está acontecendo. A ficha não caiu ainda... Não temos patrocínio, nem um investidor por trás da contratação. Conseguimos fechar a negociação juntando um pouco da verba do clube com um pouco da minha. Agora estou procurando empresas para colaborar com o projeto e fazê-lo crescer - disse Irineu, destacando que não será fácil pagar pelos serviços de Cabañas.

- Não dava para contar muito antes e por isso não temos patrocinadores. Agora, que está tudo fechado, vamos lutar para arrumar e fazer de tudo algo viável. Para nossa divisão, é um jogador caro. Se fosse para um clube médio ou grande, seria um salário irrisório, mas para nós é fora da realidade. Porém, em primeiro lugar, está a intenção de ajudar o homem que é o Cabañas - falou o presidente do Tanabi, sem poder divulgar os valores exatos firmados com o paraguaio.


Cabañas vai jogar no futebol brasileiro pela primeira vez (Foto: Henry Romero/ REUTERS)

Tudo começou quando Irineu Alves viu, em fevereiro, uma matéria na TV sobre as dificuldades enfrentadas por Cabañas após o tiro levado na cabeça em janeiro de 2010. O 'gordinho' nunca mais voltou a jogar e atualmente vive em situação delicada, trabalhando como padeiro para se sustentar. Diante da oportunidade de conseguir resgatar o jogador, o presidente do Tanabi foi ao Paraguai para abrir negociação. Agora, na segunda viagem, o acordo já está selado, com garantias de saúde dadas pelo atleta.

- Já tivemos o Túlio e o Viola e queríamos um outro jogador de renome para a atual temporada. Vi a matéria e notei que poderia juntar o útil ao agradável, ajudando o próximo e o nosso time. Da parte do Cabañas, ele nos apresentou exames da cabeça e cardiológicos, vem treinando em um clube da cidade dele. Ele está encarando tudo como uma oportunidade única e se mostra pronto para jogar. Em campo, tenho certeza de que ele dará certo, fará muitos gols e depois conseguirá um clube tradicional para jogar - afirmou Irineu.

O presidente do Tanabi não pensou ainda em grandes ações de marketing com Cabañas. Inclusive, a ideia de vender camisas pela internet ainda é um embrião. O único evento planejado com o atacante é a apresentação dele, no dia 1º de abril, na Câmara Municipal. A estreia deve ocorrer cinco dias depois, já em um jogo em casa. Para a partida, o público do clube deve aumentar em seis vezes.

- Temos uma torcida permanente de 500 pessoas. Pelo menos na estreia, deveremos ter 3 mil pagantes. É um ganho financeiro, mas só renda de público não basta no futebol hoje. Vamos atrás de investidores - destacou Irineu.