icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
12/07/2013
18:11

A diretoria do Barcelona não pretende entrar em conflito com Pep Guardiola, que acusa o clube de ter usado o câncer de Tito Vilanova (atual treinador do time catalão) para manchar sua credibilidade durante o ano sabático, nos Estados Unidos. Na última quinta, o treinador do Bayern de Munique também reclamou que os blaugranas “não o deixaram descansar, mesmo com seis mil quilômetros de distância”.

As palavras de Guardiola deixaram os cartolas do Barcelona surpresos e de queixo caído. Não obstante, o ex-treinador do time catalão ainda pediu para o Bayern insistir em tirar o apoiador Thiago Alcântara do Camp Nou e trazê-lo para Munique.

De acordo com o jornal “Mundo Deportivo“, para não alimentar uma polêmica maior, um dos dirigentes fez um pedido durante uma reunião de emergência.

E MAIS

Guardiola, exclusivo, sobre vitória do Brasil em cima da Fúria: 'Fantástico'
Como jogador, Guardiola rejeitou a Europa no final da carreira

– Se um não quer, dois não vão à guerra, portanto, nada de guerra contra Guardiola – avisou o cartola que ocupa um alto escalão.

Um bate-boca público com Guardiola poderia dividir os sócios e prejudicar a imagem da diretoria na próxima eleição, afinal, o treinador deixou o Barcelona com 14 títulos em quatro temporadas, tornando-se o mais vencedor em toda história centenária do clube.

O espanhol encerrou os ataques, desafiando a diretoria azul-grená a provar que ele está errado.

Passado o impacto das palavras do treinador, o presidente do Barcelona, Sandro Rosell, falará sobre o assunto, na próxima segunda. Certamente, para propor uma trégua.

A diretoria do Barcelona não pretende entrar em conflito com Pep Guardiola, que acusa o clube de ter usado o câncer de Tito Vilanova (atual treinador do time catalão) para manchar sua credibilidade durante o ano sabático, nos Estados Unidos. Na última quinta, o treinador do Bayern de Munique também reclamou que os blaugranas “não o deixaram descansar, mesmo com seis mil quilômetros de distância”.

As palavras de Guardiola deixaram os cartolas do Barcelona surpresos e de queixo caído. Não obstante, o ex-treinador do time catalão ainda pediu para o Bayern insistir em tirar o apoiador Thiago Alcântara do Camp Nou e trazê-lo para Munique.

De acordo com o jornal “Mundo Deportivo“, para não alimentar uma polêmica maior, um dos dirigentes fez um pedido durante uma reunião de emergência.

E MAIS

Guardiola, exclusivo, sobre vitória do Brasil em cima da Fúria: 'Fantástico'
Como jogador, Guardiola rejeitou a Europa no final da carreira

– Se um não quer, dois não vão à guerra, portanto, nada de guerra contra Guardiola – avisou o cartola que ocupa um alto escalão.

Um bate-boca público com Guardiola poderia dividir os sócios e prejudicar a imagem da diretoria na próxima eleição, afinal, o treinador deixou o Barcelona com 14 títulos em quatro temporadas, tornando-se o mais vencedor em toda história centenária do clube.

O espanhol encerrou os ataques, desafiando a diretoria azul-grená a provar que ele está errado.

Passado o impacto das palavras do treinador, o presidente do Barcelona, Sandro Rosell, falará sobre o assunto, na próxima segunda. Certamente, para propor uma trégua.