icons.title signature.placeholder Marcelo Damato
02/07/2014
12:12

O 3ª Seminário de Gestão Esportiva FGV Fifa Masters Alumni aconteceu nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro, e entre os presentes estava o presidente da Fifa, Joseph Blatter. Apesar de não ter dado muitas declarações durante a Copa do Mundo no Brasil, o suíço discorreu sobre vários temas pertinentes à Copa, polêmicas sobre a suspeita de manipulção em exames antidoping e do seu antecessor na presidência da Fifa, João Havelange.

A Copa

Blatter fez questão de frisar a boa Copa que o Brasil está realizando. O presidente elogiou o governo brasileiro e, mesmo sendo questionado, acredita que o povo vem reconhecendo o legado que o Mundial deixará.

- A Copa é um sucesso e o governo fez um bom trabalho. Aos poucos, as pessoas vem reconhecendo o trabalho e o legado que a Copa vem deixando. - afirmou o presidente.

Ainda sobre o evento em território brasileiro, o representante da entidade máxima do futebol valorizou e classificou como 'diferencial' o acolhimento dos brasileiros. Blatter também elogiou os estádios desta Copa.

- O diferencial nesta Copa é o calor do povo. Os estádios são magníficos, verdadeiras obras de arte.



Polêmica

A imprensa estrangeira vem noticiando o levantamento de uma suspeita: as federações europeias acreditam que os exames antidoping realizados pela Fifa são manipulados e questionam como um jogador que está acostumado a atuar em um clima frio, como na Europa ou em países de baixa temperatura, está conseguindo atuar no calor de estados brasileiros, como Manaus, Rio de Janeiro e Fortaleza, no horário das 13h, sem apresentar muitas difilculdades. Blatter mostrou-se irritado com o questionamento das federações e foi curto em sua resposta.

- Não está sendo manipulado.

Visita a João Havelange

João Havelange foi o antecessor de Joseph Blatter na presidência da Fifa, depois de 24 anos no cargo (1974 - 1998). Aproveitando a estada no Rio de Janeiro, o atual presidente foi visitar o amigo, que se encontra muito doente devido a uma infecção respiratória e estava internado em um hospital no Rio de Janeiro até o dia 10 de junho, quando recebeu alta hospitalar. O suíço revelou o motivo da ausência do brasileiro nos jogos deste Mundial.

- Ele está debilitado fisicamente, por isso não foi aos jogos, mas é um grande prazer conversar com ele. É uma figura excepcional.

No final de 2011, João Havelange renunciou ao cargo de presidente de honra da Fifa e também ao cargo ligado ao COI (Comitê Olímpico Internacional), após ser alvo de suspeitas, levantadas pelo orgão. O motivo alegado para a renúncia foram os ''problemas de saúde'', mas as investigações já haviam sido abertas pelo COI, a respeito de um caso envolvendo a ISL, empresa que vendia os direitos de TV da Fifa. No caso, um tribunal suíço afirmou que Havelange seria um dos beneficiados pelo esquema. Segundo a rede BBC, as 'comissões' chegavam até 6 milhões de libras esterlinas.