icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
27/06/2014
20:22

Ottmar Hitzfeld é um técnico feliz por ter adiado a sua aposentadoria. Com um currículo de gerar inveja em grandes treinadores, o alemão vai ter que adiar o adeus por pelo menos alguns dias. Isso até a seleção da Suiça enfrentar a Argentina, dia primeiro de julho ás 13 horas em São Paulo.

O experiente técnico está orgulhoso do trabalho de seus comandados. "Para uma pequena seleção como a Suíça já conseguimos algo enorme."

Tentando disfarçar a ansiedade Hitzfeld, não quis falar sobre a favorita Argentina. "Isso ainda está distante, agora quero é desfrutar do momento", disse Hitzfeld, com toda sua experiência no futebol aos 65 anos.

O técnico não poupou elogios ao seu craque Xerdhan Shaqiri, autor do "hat-trick" contra a seleção de Honduras. Autor dos gols que levou a seleção européia a segunda fase, o craque do Bayern está vivendo um sonho. "É uma honra imensa marcar três gols numa Copa do Mundo", afirmou Shaqiri. "É importante que a equipe se mantenha unida. Para uma selecção pequena como a Suíça já conseguimos algo enorme. Estou orgulhoso pelos meus companheiros, não conseguiria marcar os três gols sem a ajuda deles."

Enquanto Shaqiri é a esperança de gols da Suiça, o goleiro Benaglio vai enfrentar um ataque temido por todos. Para parar Messi e Di Maria o arqueiro acredita na ajuda do "Senhor do Bonfim" para vencer a Argentina. O jogador da Suíça passou a usar o amuleto típico de Salvador, na Bahia, após a goleada para a França, e espera que companheiros adotem a fitinha.

"É uma coisa que dá sorte às pessoas e é por isso que eu perguntei se alguém poderia arrumar uma para mim. E conseguiram. Vamos ver se meus colegas vão usar uma também. Eu recebi depois do jogo contra a França. Mas esperamos que não seja só isso " afirmou o goleiro.

Os jogadores da Suiça acreditam que já cumpriram seu papel nesse mundial, mas esperam alcançar novos sonhos. O simples fato de jogar contra a Argentina de Messi já é motivo de alegria, principalmente quando os adversários carregam toda a pressão do favoritismo.

"É só ver onde Messi está jogando. Se ele está no Barcelona, isso já prova que é um dos melhores do mundo. Lá jogam os melhores, e ele está acostumado a jogar nesse nível. A Argentina é um dos melhores times do mundo, e Messi é um dos melhores jogadores da história. Enfrentá-los pela Suíça é uma das melhores coisas que já aconteceram, é como um sonho. E agora não estamos mais com a pressão de jogar". Concluiu um confiante Benaglio.