icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
24/07/2014
18:22

No dia 18 de abril de 2014, o time da Portuguesa entrou em campo para sua estreia na Série B. O jogo na Arena Joinvile, contra o time da casa, corria bem, até os 17 minutos do primeiro tempo, quando a Lusa resolveu deixar o gramado, por conta de uma descisão judicial.

A atitude tomada pelo time do Canindé acarretou em severas punições para o clube. Na época, a Portuguesa foi punida com uma alta multa, além da perda de pontos. Os dirigentes José Ilídio e Marcos Rogério Lico, também sofreram sanções, ambos levaram multas e uma suspensão por 240 dias.

Na tarde desta quinta-feira, foi julgado em última instância o recurso da Portuguesa e as penas foram reduzidas. A multa do clube foi reduzida pela metade, enquanto a dos dirigentes foram mantidas, mas a suspensão caiu para 180 dias. Com a decisão a Lusa segue na Série B.

No julgamento, o procurado geral do STJD, Paulo Schmitt deu ênfase a gravidade do ato cometido pela Portuguesa e pediu uma punição mais severa. Já o advogado da Lusa, José Luiz Ferreira de Almeida, sustentou que o clube não agiu de má fé, bem como sempre esteve a disposição para eventuais esclarecimentos, logo a punição seria excessiva.

Ao final da apresentação dos argumentos, todos os sete auditores presentes votaram a favor de reduzir pela metade a multa aplicada ao clube. Quanto a supensão aos dirigentes, quatro votaram pela redução da suspensão de 240 para 180 dias. Entretano a perda de três pontos e a multa para Ilído e Lico foram mantidas. As suspensões entram em vigor 24h após a decisão do pleno.