icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
04/02/2015
09:11

Após o MMA divulgar, na madrugada desta quarta-feira, que o exame antidoping realizado por Anderson Silva deu positivo por uso de anabolizantes, o diretor da comissão atlética do MMA no Brasil, Márcio Tannure, diz ter conversado com o lutador brasileiro, logo após a notícia ter sido divulgada. Tannure afirma que o lutador tem certeza de que ocorreu algum erro no resultado dos exames.

- Anderson me disse que está bem desapontado e chateado, pois diz que não fez o uso dos esteróides. Spider vai pedir contra prova e acredita que só pode ter sido uma contaminação ou erro do laboratório. Ele completou dizendo para mim: "Tenho um histórico exemplar na minha carreira e não iria querer sujar a minha imagem" - contou Tannure, em entrevista à Rádio Band News.

O exame em Anderson Silva, segundo o UFC, teria sido realizado no início de janeiro. Tannure afirmou que houve demora para a divulgação do resultado, que saiu após quase 30 dias de sua realização. Segundo o médico, a análise teria de ser divulgada antes do combate com Nick Diaz, para saber se o lutar estaria apto ou não para o combate.

- Não é o normal demorar tantos dias para que se divulgue um resultado, que demora em média de dez a 15 dias. Mas não significa o que pode acontecer. É mais um motivo para que a gente espere todos os procedimentos e contra-provas - afirmou.

Tannure disse que a imprensa já está pré-julgando Anderson Silva, o culpando. Mas que há vários procedimentos que ainda não foram divulgados.

- Acho que é cedo demais para julgar. Ele tem o direito à contra-prova e tem ainda dois testes a serem feitos. A comissão de Nevada ainda não se pronunciou e a imprensa já está julgando. Não dá para fazer análise e julgamento sobre o que aconteceu sem esperar o instante exatos e as medidas. O processo não foi terminado, se tivesse terminado e comprovado, ele teria sido suspenso.

O médico lembra que a punição a Anderson seria de no máximo nove meses.

- Normalmente este tipo de doping num réu primário, que seria o caso do Anderson, causa uma pena em torno de 9 meses.