icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
13/11/2013
11:17

O Grêmio enfrentará o Vasco da Gama na noite desta quarta-feira, às 19h30, na Arena. Um brigando por uma vaga na Libertadores, mas há sete jogos sem vencer. Outro querendo fugir da zona de rebaixamento, mas há dois jogos sem perder, sob o comando de Adilson Batista. O momento traz um sentimento diferenciado no volante Souza, que já enfrentou o ex-clube em outras oportunidades, mas não em um período tão delicado para os dois lados.

O camisa 5 admite que gostaria de ver o Vasco, clube no qual se criou e começou a jogar profissionalmente, em 2008, em outra situação no Brasileirão. Naquele ano, o cruz-maltino caiu para a Série B, de onde voltou em 2009. E até afirma que a briga contra uma nova queda pode mobilizar mais os jogadores cariocas.

- Preferiria não enfrentar o Vasco nesta situação. Sei da força do Vasco, 2008 estava lá e passei por isso. Os jogadores vão dar a vida para sair dessa situação. Eu, particularmente, também por ter crescido lá, não gostaria que estivesse nessa situação. Infelizmente está - revelou o camisa 5 gremista.

O problema é que Souza não pode nem ser piedoso com o clube que o criou para o futebol. Apesar da gratidão que tem, o meio-campista logo lembra que o Grêmio está há sete jogos sem vencer. Há seis sem marcar gols. E acossado por Goiás, podendo deixar o G4.

- E infelizmente nós estamos há sete jogos sem vencer, então mais do que nunca quero vencer o Vasco. Independente daquilo que me criou, sou grato ao Vasco, mas mais do que nunca preciso dessa vitória, o Grêmio precisa. Vamos dar a vida, sabendo que o Vasco vem forte. Sei que a situação que estão vivendo não é fácil, darão o máximo deles. Preferia enfrentar o Vasco em outra situação. Mas como estão nela, eles vem com tudo. Não podemos descuidar, achar que por que eles estão nessa situação, será um jogo fácil - avaliou Souza.

O Tricolor gremista ainda não tem o time definido para o duelo. O técnico Renato Gaúcho pode promover nova troca no esquema e o retorno ao 4-2-2, com a presença de um meia, seja ele Maxi Rodríguez ou Zé Roberto, que jogou contra o Atlético-PR. Sempre quando fecha um treinamento, como fez nesta terça, o treinador promove uma mudança na equipe.