icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
31/07/2014
06:07

Qualidade para bater na bola, ousadia para driblar, cabelo e aparência de Ronaldinho Gaúcho. Se você acompanha futebol há alguns anos, muito provavelmente vai se lembrar de Celsinho, aquele garoto que despontou como craque na Portuguesa em 2005.

Nesse período de quase dez anos, o mundo do meia-atacante girou como uma bola. Milhões, que entraram e saíram da conta dele, baladas, bebidas, casamento, alegrias e muitas decepções, passando por Rússia (Lokomotiv), Portugal (Sporting) e Romênia (Târgu Mures). Tanta coisa aconteceu que nem parece que o jogador ainda tem 25 anos. Bem mais em forma do que quando voltou ao Brasil em 2010, Celsinho acredita que ainda pode chegar onde se imaginava há dez anos e escolheu o Londrina para dar a volta por cima.

Nesta quinta, contra o Santos, às 21h, no Estádio do Café ele terá não só uma chance de voltar a aparecer para todo o Brasil, como de enfrentar um dos clubes que mais admira e no qual sonhou (e ainda sonha, por que não?) em jogar.


– Uma das minhas maiores frustrações foi não ter acertado com o Santos. Em 2008 estava quase tudo certo, o Sporting aceitou me liberar e fiz uma reunião na Vila Belmiro. Mas, na hora de fechar apareceram uns probleminhas. Quem sabe agora não é uma chance até de reatar isso – disse o camisa 10, ao LANCE!Net.

Referência do time paranaense, Celsinho não liga para as comparações com Ronaldinho e é tratado como astro. Prova disso é que, em 2012, quando foi contratado pelo Tubarão, chegou à sua apresentação de helicóptero. A expectativa foi correspondida dentro de campo, com boas atuações e o título estadual deste ano, que pôs fim à uma fila de 22 anos sem títulos do Londrina. Apesar de uma ou outra escapada, como ano passado, quando se envolveu em confusão em uma casa noturna, o meia-atacante diz estar na linha.

A noite desta quinta é tratada pelo atleta como fundamental nos seus planos de ainda estourar no futebol brasileiro. Ele não só acredita na vitória sobre o Peixe, como avisa:

– O Londrina é forte e ajudou a me reerguer. Mas ainda é muito pouco perto do que pode acontecer!

Celsinho chegou de helicóptero em apresentação (Foto: Marcos Zanutto/Folha de Londrina)

Bate-bola com Celsinho, meia do Londrina, ao L!Net:

Você encara esse jogo como uma vitrine para aparecer novamente?
O atrativo é diferente, se trata de uma equipe de Série A, isso deixa a partida diferente. Eu até prefiro, melhor do que equipes que vêm aí e só se defendem. É importante mostrar seu trabalho, ter visibilidade também.

As comparações com o Ronaldinho Gaúcho te atrapalharam?
Não, eu consigo lidar bem. Mas tem muitas pessoas que não entendem, associam aparecia com desempenho em campo. Mas eu tenho minhas características, a semelhança é mais física, pois profissionalmente é praticamente impossível chegar perto. Eu levo numa boa, ele é meu ídolo.

Hoje você se arrepende de ter saído tão cedo?
A Rússia foi a melhor coisa que aconteceu para mim, sou apaixonado por Moscou. Não foi loucura ter ido, mas ter saído muito cedo. Na época eu tinha uma proposta muito boa do Cruzeiro e acabei falando "não" para ir à Rússia. Se tivesse ficado mais tempo talvez a carreira poderia ter tomado outro rumo, mas não me arrependo. Eles fizeram de tudo, sempre me ajudaram, arrumaram serviço pra minha mãe, me colocaram numa faculdade... Eles montaram um circo para contar comigo. Vejo isso com satisfação. Fui formado em medicina. Sentei em algumas aulas, com minha namorada, e quando vi ja tinha esse diploma e tudo. Hoje eu sou médico. Não sei fazer um curativo (risos).