icons.title signature.placeholder Alexandre Araújo, Daniel Guimarães e João Matheus Ferreira
30/07/2014
05:45

Quatro dias após o adiamento da eleição presidencial do Vasco para o dia 11 de novembro, uma decisão judicial obrigou que o pleito voltasse à data inicial: 6 de agosto, quarta-feira que vem. A liminar obtida através da 19ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro foi movida pelo advogado e sócio proprietário do Cruz-Maltino, Rafael Landa Montenegro Nuno, ligado à chapa de Eurico Miranda.

Segundo o LANCE!Net apurou, o autor da ação tem uma coluna no site Casaca, grupo político de Eurico Miranda em São Januário. Em uma das publicações, há quase duas semanas, utilizou certa ironia com os demais candidatos à presidência.

"Caros leitores, já passam de dois times de futebol a lista de candidatos para combater a candidatura de Eurico Miranda. O desespero é total. Pois parece que Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, resolveu abandonar a presidência do poderoso país para disputar as eleições do Vasco, objetivando evitar a volta de Eurico Miranda", escreveu.

A reportagem tentou entrar em contato com Rafael Landa por telefone e e-mail, mas não obteve retorno até o final do fechamento.

A sentença emitida pela juíza Ana Lúcia Vieira do Carmo teve como réus o próprio Club de Regatas Vasco da Gama e o presidente da Assembleia Geral, Olavo Monteiro de Carvalho, que na última sexta publicou um edital no site oficial do Cruz-Maltino adiando a eleição para o dia 11 de novembro. Na terça, porém, teve de cumprir a decisão judicial e fazer um novo edital confirmando o pleito para quarta-feira que vem.

– É dever dessa presidência cumprir a decisão judicial, sem prejuízo da interposição do recurso cabível – publicou Olavo no site oficial do Vasco.

Estava marcada para terça uma reunião da Junta Deliberativa em São Januário, convocada pelo próprio Eurico Miranda, para tratar sobre o assunto. Todavia, antes mesmo do encontro ter início, um Oficial de Justiça entregou para Olavo a decisão judicial de manter o pleito para o dia 6. Assim, sequer houve conversa entre os poderes do clube.