icons.title signature.placeholder Gabriel Cassar
19/02/2015
20:24

Bruno Soares falou, em entrevista coletiva do Aberto do Rio nesta quinta-feira, sobre os anos de parceria quem mantém com o austríaco Alexander Peya. Para o brasileiro, é natural que a dupla tenha momentos irregulares durante determinados momentos.

- Fizemos números impressionantes nestes últimos dois anos. Chegamos em mais de 20 finais, conquistamos muita coisa. É natural que haja oscilação, até os irmãos Bryan estão em um ano "estranho". Acredito que estamos melhorando.

Sobre as dificuldades encontradas na primeira partida e no primeiro set da partida de hoje, diante do argentino Schwarzmann e do italiano Lorenzo, Bruno apontou o baixo aproveitamento do primeiro saque como principal culpado.

- Não estamos conseguindo ter uma porcentagem boa de primeiro serviço. Isso prejudica especialmente contra os adversários que jogam simples, já que eles costumam ter uma devolução boa. Quando nosso primeiro saque entra e um dos dois vai para a rede, nosso jogo fica outra coisa, muito melhor. Hoje, resolvi me posicionar mais para trás e colocar mais precisão do que força na bola. Deu certo, mas não é o ideal.

Os dois tenistas agora se preparam para a disputa das semifinais de duplas masculinas no Aberto do Brasil. Os oponentes podem ser os brasileiros André Sá e Feijão, que têm a torcida de Soares.

- Seria muito legar enfrentar eles, já que isso garantiria pelo menos um brasileiro na final. Estarei torcendo por eles.