icons.title signature.placeholder Guilherme Abrahão
icons.title signature.placeholder Guilherme Abrahão
11/07/2013
07:04

Um dos grandes entraves para finalizar a negociação de Thiago Neves ainda não foi resolvido pelo Fluminense. O clube está temeroso em ter R$ 3,6 milhões penhorados pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, assim como ocorreu no caso do atacante Wellington Nem, vendido ao Shakhtar Donestk (UCR), no mês passado.

Mesmo assim, o clube resolveu aceitar liberar o jogador, após bater o martelo em relação à forma de pagamento do Al Hilal pelo jogador. A proposta saudita, unida ao interesse do jogador em retornar, foi decisiva para o Tricolor aceitar o negócio, mesmo sem saber se o dinheiro será penhorado. O negócio foi visto com bons olhos, já que é consenso que dificilmente o clube conseguirá repassar o camisa 10, por agora, por este valor a outro clube.

A negociação supera o que o próprio Fluminense pagou aos sauditas em janeiro do ano passado: cerca de R$ 16 milhões. Este valor, era o oferecido pelo outro interessado no meia, o Al Shabab (SAU). Porém, como a negociação foi costurada por terceiros, sem a ciência do meia, foi colacada de lado pelo próprio camisa 10, que só aceitou retornar ao futebol árabe por ser o Al Hilal o seu destino.

Um dos grandes entraves para finalizar a negociação de Thiago Neves ainda não foi resolvido pelo Fluminense. O clube está temeroso em ter R$ 3,6 milhões penhorados pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, assim como ocorreu no caso do atacante Wellington Nem, vendido ao Shakhtar Donestk (UCR), no mês passado.

Mesmo assim, o clube resolveu aceitar liberar o jogador, após bater o martelo em relação à forma de pagamento do Al Hilal pelo jogador. A proposta saudita, unida ao interesse do jogador em retornar, foi decisiva para o Tricolor aceitar o negócio, mesmo sem saber se o dinheiro será penhorado. O negócio foi visto com bons olhos, já que é consenso que dificilmente o clube conseguirá repassar o camisa 10, por agora, por este valor a outro clube.

A negociação supera o que o próprio Fluminense pagou aos sauditas em janeiro do ano passado: cerca de R$ 16 milhões. Este valor, era o oferecido pelo outro interessado no meia, o Al Shabab (SAU). Porém, como a negociação foi costurada por terceiros, sem a ciência do meia, foi colacada de lado pelo próprio camisa 10, que só aceitou retornar ao futebol árabe por ser o Al Hilal o seu destino.