icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/11/2013
16:23

Assim como inúmeros ídolos do PRIDE, Mauricio Shogun teve de se acostumar com novas regras ao migrar do evento japonês para o UFC, em setembro de 2007. O curitibano fez história diante do público no Japão ao nocautear diversos oponentes. Muitos destes triunfos foram alcançados por pisões e "tiros de meta", golpes permitidos pelas regras do extinto show. Em entrevista ao site MMA Junkie, Shogun avaliou a diferença nas regras do PRIDE e do Ultimate e declarou que a sua adaptação ao regulamento de sua nova casa foi um ponto que o atrapalhou no início. A falta de liberdade para usufruir dos golpes com os pés também o incomoda.

Segundo Mauricio, as regras impostas pelo Ultimate "o dificultam" e seu ingresso no show foi tímido por conta disso. O meio-pesado ainda afirmou que o regulamento do PRIDE protegia mais os atletas do que o do UFC.

- As novas regras me dificultam. Acho que as regras de quando eu lutava no Japão eram mais seguras do que as de hoje. Cotoveladas machucam muito mais do que pisões. Tive de me adaptar às regras deles. Então, quando vim para o UFC, para ficar confortável, levei um tempo.  E, na verdade, o meu estilo de luta dependia em grande parte de pisões e dos "tiros de meta". Então, para mim, o maior ponto negativo quando cheguei ao UFC foi a mudança nas regras - declarou o lutador.

Shogun, que tem seu próximo confronto pelo Ultimate marcado para o dia 6 de dezembro, contra Jame Te Huna, no UFC Fight Night Combate: Hunt x Silva, que acontece na Austrália, ainda disse que espera ver um dia o UFC com as mesmas regras do extinto PRIDE.

- Espero que um dia o UFC possa legalizar pisões e "tiros de meta". Seria ótimo. Eu sinto falta. Durante a era PRIDE, não tenho nenhuma lembrança de alguém se machucar mal por conta dos pisões ou "tiros de meta". As cotoveladas que machucam oponentes - concluiu.