icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
24/07/2013
13:16


Emerson Sheik foi o escalado pela assessoria de imprensa do Corinthians para conceder entrevista coletiva nessa quarta-feira. Geralmente "preservado" por conta de sua língua afiada, ele mesmo brincou com a presença:

- Quando vim para cá pediram para eu pegar leve. Venho pouco, não me deixam vir (risos), pediram calma...E a ordem veio de cima...Depois tem uma salinha ali que o bicho pega - brincou ele.

Revelado pelo São Paulo, o atacante do Timão comentou, é claro, sobre a má fase do rival, adversário de domingo, pelo Brasileirão. Ainda sem perder para o Tricolor em 2013, com três vitórias, um empate com classificação nos pênaltis e um título conquistado, ele lamentou a crise política do rival:

- O que surpreende é, com a grandeza do São Paulo, por toda a sua história, ver como o clube se encontra, pelo o que a gente lê e vê na TV, com confusões e brigas. A gente vê que o ambiente não é legal. Isso nos deixa tristes porque lá também temos amigos - disse o camisa 11.

E MAIS:
> De longe e de perto, Corinthians monitora Wéverton, do Londrina
> Após três meses, Tite admite e explica sondagem da Inter de Milão
> De 'cara feia', Cleber já prevê forte concorrência por espaço no Timão
> Que saudade! Corinthians não entra no G4 do Brasileirão há 46 rodadas

Apesar disso, e da provocação publicada em seu Instagram após a conquista da Recopa Sul-Americana na última semana, ele garante que não torce para que o rival caia para a Série B de 2014:

- Aquilo ali foi uma brincadeira com amigos são-paulinos, nada com a instituição. É difícil, enquanto a atleta, mexer com o sentimento das pessoas, existe um respeito absurdo. Comecei no São Paulo e, honestamente, ainda está muito cedo...Pela minha cabeça não passou a possibilidade de serem rebaixados. O grupo é forte e tem um treinador competente, vai mudar muita coisa. Por ter iniciado lá, não torço pelo rebaixamento. Torço pela permanência, não consigo imaginar o clube na segunda divisão. Torcedor que adora essas coisa de "vai cair", para zoar o colega. Para nós o que motiva é nosso trabalho - garantiu.

Questionado, porém, se o Tricolor vence o Internacional nesta quarta-feira e encerra a sequência de dez partidas sem vitórias para chegar forte no clássico Majestoso, o atacante arrancou risos de todos:

- O jogo é onde? - perguntou.

- No Morumbi - respondeu o repórter.

- Dá Inter - respondeu, com um sorriso de canto de boca.


Emerson Sheik foi o escalado pela assessoria de imprensa do Corinthians para conceder entrevista coletiva nessa quarta-feira. Geralmente "preservado" por conta de sua língua afiada, ele mesmo brincou com a presença:

- Quando vim para cá pediram para eu pegar leve. Venho pouco, não me deixam vir (risos), pediram calma...E a ordem veio de cima...Depois tem uma salinha ali que o bicho pega - brincou ele.

Revelado pelo São Paulo, o atacante do Timão comentou, é claro, sobre a má fase do rival, adversário de domingo, pelo Brasileirão. Ainda sem perder para o Tricolor em 2013, com três vitórias, um empate com classificação nos pênaltis e um título conquistado, ele lamentou a crise política do rival:

- O que surpreende é, com a grandeza do São Paulo, por toda a sua história, ver como o clube se encontra, pelo o que a gente lê e vê na TV, com confusões e brigas. A gente vê que o ambiente não é legal. Isso nos deixa tristes porque lá também temos amigos - disse o camisa 11.

E MAIS:
> De longe e de perto, Corinthians monitora Wéverton, do Londrina
> Após três meses, Tite admite e explica sondagem da Inter de Milão
> De 'cara feia', Cleber já prevê forte concorrência por espaço no Timão
> Que saudade! Corinthians não entra no G4 do Brasileirão há 46 rodadas

Apesar disso, e da provocação publicada em seu Instagram após a conquista da Recopa Sul-Americana na última semana, ele garante que não torce para que o rival caia para a Série B de 2014:

- Aquilo ali foi uma brincadeira com amigos são-paulinos, nada com a instituição. É difícil, enquanto a atleta, mexer com o sentimento das pessoas, existe um respeito absurdo. Comecei no São Paulo e, honestamente, ainda está muito cedo...Pela minha cabeça não passou a possibilidade de serem rebaixados. O grupo é forte e tem um treinador competente, vai mudar muita coisa. Por ter iniciado lá, não torço pelo rebaixamento. Torço pela permanência, não consigo imaginar o clube na segunda divisão. Torcedor que adora essas coisa de "vai cair", para zoar o colega. Para nós o que motiva é nosso trabalho - garantiu.

Questionado, porém, se o Tricolor vence o Internacional nesta quarta-feira e encerra a sequência de dez partidas sem vitórias para chegar forte no clássico Majestoso, o atacante arrancou risos de todos:

- O jogo é onde? - perguntou.

- No Morumbi - respondeu o repórter.

- Dá Inter - respondeu, com um sorriso de canto de boca.