icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
02/04/2014
18:01

O intervalo de 10 dias entre a primeira e a segunda partida da semifinal da Superliga Masculina foi alvo de críticas de alguns ateltas, mas acabou sendo importante para o Sesi-SP. Em vantagem no confronto contra o Vôlei Brasil Kirin, o time comandado por Marcos Pacheco pôde aproveitar o período para ajustar a nova formação após a perda do oposto Evandro, que fraturou o dedo mínimo da mão direita nas quartas de final e se despediu da temporada.

O jovem Renan, de 2,17m, assumiu a função e não decepcionou. Titular na segunda partida contra o São Bernardo, o canhoto anotou 12 pontos. Depois, voltou a jogar bem na primeira semifinal contra o Vôlei Brasil Kirin e pontuou 11 vezes. E o trabalho com o levantador e capitão Sandro tem sido fundamental.

– O entrosamento foi bem difícil no começo, ao entrar no meio do jogo [primeiro playoff diante do São Bernardo] em que o Evandro lesionou. As duas últimas semanas foram bem intensas no trabalho de acerto de bola. Recebi muitas bolas durante os treinos para a gente se entrosar mesmo, para afinar bem os detalhes. No último jogo foi bem melhor. Já estou bem mais acostumado com a bola do Sandro – disse Renan.

O técnico Marcos Pacheco reconhece que o imprevisto trouxe dificuldades ao grupo e comemora o tempo de descanso entre as duas partidas.

– Botamos intensidade e treinamos forte para que o time tenha cada vez mais sincronismo, para que a relação Sandro/Renan melhore. Era um destro na posição (Evandro) e entrou um canhoto. Para o levantador não é fácil. Parece que é fácil, mas não é. Mudaram o timing e a velocidade de bola, e isso precisa de treino. E agora, finalmente, estamos tendo tempo para treinar – afirmou Pacheco.

O Sesi-SP pode garantir vaga na final da Superliga contra o Sada Cruzeiro neste sábado. A segunda partida da série melhor de três contra o Vôlei Brasil Kirin acontecerá às 9h30 (de Brasília), no Ginásio Taquaral, em Campinas, com transmissão da TV Globo.