icons.title signature.placeholder Jonas Moura
05/04/2014
06:00

A uma vitória de se classificar à final da Superliga Masculina, o Sesi-SP tem como arma um gigante com fome de bola. O oposto Renan, de 2,17m, assumiu a titularidade no momento mais importante da disputa e será uma das alternativas do elenco no segundo jogo da semifinal contra o Vôlei Brasil Kirin, hoje, às 9h30, no Ginásio Taquaral, em Campinas (SP).

Atleta mais alto do torneio, ele ganhou espaço nas quartas de final, quando o titular Evandro fraturou o dedo mínimo da mão direita e se despediu do restante da temporada.

Sua entrada no time principal gerou uma mudança no estilo do time. Afinal, Renan é canhoto, o que altera o esquema de marcação do adversário e demanda um padrão diferente de armação de jogadas.

– Trabalhei bastante o ano inteiro, então estava esperando a oportunidade de entrar. Como treinava com o Thiaguinho, levantador reserva, o mais difícil foi me adaptar ao estilo do Sandro e ele ao meu. Mas com três semanas de trabalho já estamos bem entrosados – afirmou Renan.

Aos 24 anos, o oposto tem um futuro promissor. Campeão mundial juvenil em 2009, na Índia, ele foi convocado pelo técnico Bernardinho no ano passado para a Liga Mundial com a Seleção adulta e participou de algumas partidas da conquista do vice-campeonato.

Embora a permanência no time verde-e-amarelo seja um desejo, Renan diz que, neste momento, só pensa em ajudar o Sesi a garantir presença na decisão. Mas a espera tem sido longa, já que o primeiro jogo da série melhor de três aconteceu há mais de dez dias.

– Fizemos um amistoso com o São José dos Campos e vencemos por 3 a 1. É claro que ficamos naquela ansiedade, mas pelo menos conseguimos esse jogo que acabou sendo útil para os dois lados, já que eles vão jogar a final da Superliga B.

Se o Brasil Kirin igualar a série melhor de três, uma terceira partida acontecerá em São Paulo, na próxima segunda-feira, para decidir o finalista. O Sada Cruzeiro já está classificado à decisão.