icons.title signature.placeholder Felipe Domingues
14/02/2015
08:10

  
Feijão (esq.) encara Luca Vanni por uma vaga na final do Aberto do Brasil (Fotos: Divulgação)

O Aberto do Brasil desafiou as possibilidades. Enquanto em uma semifinal teremos o cabeça de chave número cinco do torneio, o uruguaio Pablo Cuevas (32º) enfrentando o cabeça de chave número três, o colombiano Santiago Giraldo (33º), na outra, o cenário é completamente diferente. Um tenista vindo do qualifying, o italiano Luca Vanni (149º), e um convidado na chave principal, o brasileiro João Souza (110º).

Apesar de acontecer, não é comum vermos essa situação. Nesse ano, por exemplo, o tcheco Jiri Vesely (63º) entrou como qualifier no ATP 250 de Auckland (NZL) em janeiro deste ano, e tornou-se campeão. Isso é o que Luca Vanni espera, pelo menos.

- Eu já consegui jogar assim (bem) antes, no qualifying. Eu me sinto bem. Estou na semifinal, ganhei meu segundo jogo. Espero que neste sábado vença mais um jogo - comentou o italiano.

Essa é a terceira semifinal de Feijão em torneios ATP, sendo que ele foi derrotado nas duas anteriores. No ATP 250 de Santiago (CHI), em 2010, ele entrou como qualifier e caiu na semifinal, diante do argentino Juan Mônaco. No ano seguinte, no ATP 250 de Kitzbuhel (AUT), novamente furou o quali e caiu na semi, contra o holandês Robin Haase.

- Em Santiago eu era muito novo ainda, perdi para o Mônaco, que estava entre os 20 melhores do mundo. Em Kitzbuhel tive minhas chances e perdi em 3 sets para o Haase. Mas amanhã (sábado) estarei mais experiente. Joguei dois jogos duros nessa quadra. Mentalmente, estou bem adaptado. Espero não cometer os mesmos erros - disse Feijão.