icons.title signature.placeholder Alexandre Braz e Vitor Pimenta
11/11/2013
12:00

Cerca de 20 membros de torcidas organizadas do Botafogo deixaram o clima tenso no desembarque da delegação, na manhã desta segunda-feira, no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, no Rio de Janeiro. Com xingamentos a jogadores e comissão técnica, os indivíduos acompanharam o time até o embarque no ônibus do clube, que os aguardava no lado de fora do Terminal 1.

Com camisas das organizadas, os torcedores deram socos e pontapés no ônibus e gritaram palavras agressivas para os jogadores até a partida para o Engenhão, onde treinam ainda nesta tarde. Com a pressão, os jogadores demonstraram muita tensão. O técnico Oswaldo de Oliveira, com olhar fixo para os que protestavam, ao ouvir xingamentos, sem parar para discutir, chegou a proferir algumas palavras. Ovos podres foram atirados. O primeiro a desembarcar, para ver como estava o ambiente, foi o segurança Almeida. Em seguida, o outro segurança, Ivan, chegou para tentar acalmar os torcedores, que responderam:

- Ivan, não tem "desenrolo". Sem (vaga na) Libertadores, não tem paz. Agora vocês vão ver se não tem torcida

Com o time já no ônibus, os torcedores gritaram coisas como: - "Não é mole, não! Tem que ser homem para jogar no meu Fogão!". Depois que os jogadores partiram, os "torcedores", ainda exaltados, se organizaram para ir ao Engenhão, onde às 12h30, o time tem treino marcado, já que na quarta-feira, às 21h, enfrenta a Portuguesa, pela 34ª rodada do campeonato Brasileiro.

Todos os jogadores, exceto o goleiro Jefferson, foram hostilizados. Seedorf não foi poupado pelos botafoguenses. Para o holandês, eles gritaram:

- Honra a camisa, negão. Honra o teu salário.

Apesar de já terem agendado o encontro nas redes sociais ainda na noite de domingo, após a derrota do time para o Internacional, em Caxias do Sul, apenas dois policiais estavam no local para fazer a segurança dos atletas. "Protegidos" por um cordão de isolamento, os seguranças do Botafogo foram os encarregados por conter os ânimos dos torcedores.

Alheio a manifestação, o camisa 10 do Alvinegro parou para tirar foto com um torcedor. Ele foi o último jogador a entrar no ônibus. Um dos ovos atirados acertou o vidro ao lado de onde ele se encontrava.