icons.title signature.placeholder Guilherme Cardoso
07/03/2014
08:07

De que servem os Jogos Sul-Americanos? Afinal, ainda falta um pouco mais de dois anos para os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, e os atletas, em começo de temporada, estão preocupados com outros torneios. Mesmo assim, o Brasil não deixa de lado a disputa e está com um time forte para acabar com um jejum de títulos. E também conquistar algumas vagas no Pan-Americano de 2015.

A competição começa a partir desta sexta-feira, no Chile. Serão 43 modalidades divididas em duas sedes (Santiago e Viña Del Mar). Entre os esportes olímpicos, apenas o badminton não será disputado por uma decisão do comitê organizador. A equipe brasileira está representada por 481 atletas e não faltam estrelas, como Thiago Pereira, Fabiana Murer, Arthur Zanetti, Alexandra Nascimento...

Se não bastasse, para algumas modalidades, a disputa vai valer uma vaga no Pan-Americano de 2015, em Toronto (CAN), como: handebol, hipismo de salto e de adestramento, caretê, lutas associadas, ciclismo, rúgbi, pentatlo moderno, hóquei sobre grama e boliche.

– É um momento de análise, monitoramento e avaliação. É a primeira vez que montamos uma delegação para esse ciclo olímpico. A partir disso, vamos ter os resultados. É impossível não comparar e fazer previsões. Mas esses resultados vão dar um posicionamento desse momento de como está a delegação brasileira e as modalidades – afirmou ao LANCE!Net a gerente de planejamento esportivo do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Adriana Behar.

Vale lembrar que, por conta do calendário, o Brasil não vai ter representantes no basquete e no vôlei masculino. Já o time feminino da segunda modalidade será formado por atletas da categoria infanto-juvenil.

Apesar disso, a expectativa é por um bom desempenho da delegação brasileira. Mas quem pensa que o Brasil deve ter tranquilidade está enganado. Nas nove edições anteriores do Sul-Americano, a equipe nacional conquistou o título – em número de medalhas de ouro – em apenas uma oportunidade: em 2002, quando foi o país-sede. Nas últimas duas disputas, ficou somente com o vice-campeonato, atrás de Argentina, em 2006, e Colômbia, em 2010.

– Nosso foco tem de ser no que vai acontecer daqui para frente. Existe esse histórico, mas vimos no ano passado o alto alcance dos resultados do esporte brasileiro. Foi até surpreendente comprado a outros anos após um período olímpico. É isso que temos de focar – disse Behar.

JOGOS SUL-AMERICANOS DE 2014:

Time Brasil
A delegação brasileira conta com 481 atletas para a disputa dos Jogos Sul-Americanos no Chile. Os brasileiros vão estar presentes em 41 das 43 modalidades. O país não conta com representantes para a disputa do basquete (masculino e feminino) e da patinação de velociadade.

Destaques
Medalhistas olímpicos e mundiais fazem parte da delegação brasileira, como Thiago Pereira, Fabiana Murer, Arthur Zanetti, Mauro Vinícius, o Duda. Parte da equipe feminina de handebol, campeã mundial no fim do ano passado, vai estar presente, já que a modalidade vale vaga no Pan-Americano de 2015, no Canadá.

Os gringos
Assim como os brasileiros, diversos medalhistas olímpicos estão presentes a Santiago. O panamenho Irving Saladino é o destaque de seu país. Campeão olímpico em 2008, ele voltou a treinar no Brasil e deve ter uma disputa acirrada com Duda, no salto em distância.
Além dele, vale destacar o argentino Sebastián Crismanich, medalhista de ouro no taekwondo em Londres-2012.. Quem também conquistou o primeiro lugar na última olímpíada foi a colombiana Marian Pajón, que vai competir no cilcismo BMX.

Os Jogos
Vai ser disputado de hoje até o dia 18, em Santiago e Vinã de Mar. Sete modalidades acontecerão na sub-sede: esportes aquáticos de águas abertas, handebol, canoagem, equitação, remo, triatlo e vela. O restante será na capital chilena, em diversos ginásios pela cidade. O centro dos Jogos é o Estádio Nacional.

Participantes
Os Jogos Sul-Americanos conta com a participação de 14 países: Brasil, Argentina, Aruba, Bolívia, Colômbia, Chile, Equador, Guiana, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela. A competição acontece de quatro em quatro anos. Serão mais de 3.500 atletas na disputa em 2014.

CONFIRA UM BATE-BOLA COM ADRIANA BEHAR (Gerente de planejamento esportivo do Comitê Olímpico Brasileiro):

LANCE!Net: Como observa o fato de o Brasil só ter vencido uma edição dos Jogos Sul-Americanos, em 2002?
Adriana Behar: Ultimamente, tivemos o aumento do nível técnico das modalidades. Em situações específicas, temos as principais forças dos países da América do Sul, como no ciclismo. Então, em algumas modalidades o Brasil é favorito, em outras, não. É o primeiro momendo de uma delegação junta e tem muito a ser feito. Será uma boa experiencia, um bom momento para juntar atletas.

L!Net: Vôlei e basquete são dois esportes muito importantes para o país que não vão mandar representantes, só o vôlei feminino. Cesar Cielo também não vai participar. Como vê isso?
AB: Às vezes, dependendo do calendario, pode existir um conflito de datas. Os atletas, por algum motivo, estão em um período de treino diferente, ou em uma fase de recuperação. E alguns times disputam competições nacionais. Faz parte e não abala. A gente entende e isso não interfere no planejamento a delegação. Levamos atletas que têm possibilidade de competir.

 

O repórter viaja a convite do COB